Negócios

Apple vende menos iPhones que previsto, mas tem lucro recorde

A Apple teve lucro líquido de US$ 20,07 bilhões no período entre outubro e dezembro, o equivalente a US$ 3,89 por ação

Apple: a companhia anunciou que vendeu 77,3 milhões de iPhones entre outubro e dezembro (Aly Song/Reuters)

Apple: a companhia anunciou que vendeu 77,3 milhões de iPhones entre outubro e dezembro (Aly Song/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de fevereiro de 2018 às 21h31.

São Paulo - A Apple apresentou lucro líquido de US$ 20,07 bilhões no período entre outubro e dezembro, o equivalente a US$ 3,89 por ação, enquanto o ganho registrado no mesmo período do ano anterior foi de US$ 17,89 bilhões, ou US$ 3,36 por ação.

Com isso, o ganho por ação da companhia foi recorde e registrou avanço de 16% na comparação entre os dois trimestres. Os resultados superaram a previsão de analistas consultados pela FactSet, que previam lucro líquido de US$ 19,8 bilhões no primeiro trimestre fiscal, com o ganho por ação em US$ 3,85.

As vendas também registraram avanço recorde, passando de US$ 78,35 bilhões no período entre outubro e dezembro de 2016 para US$ 88,29 bilhões neste ano, resultando em alta de 13%, com as vendas internacionais representando 65% da receita do trimestre. A companhia também superou as previsões nessa categoria, já que analistas consultados pela FactSet esperavam vendas de US$ 87,5 bilhões no trimestre.

A companhia anunciou que vendeu 77,3 milhões de iPhones entre outubro e dezembro, pouco abaixo das previsões de analistas, que esperavam 80,2 milhões de unidades vendidas. O resultado mostrou queda de 1% na comparação com as vendas do mesmo trimestre do ano anterior. Já a receita dos iPhones subiu de US$ 54,38 bilhões para US$ 61,58 bilhões no primeiro trimestre fiscal, representando avanço de 13%.

"Estamos entusiasmados em relatar o maior trimestre da história da Apple", afirmou o diretor executivo (CEO) da companhia, Tim Cook. De acordo com ele, o iPhone X superou as expectativas da companhia e tem sido o iPhone mais vendido em todas as semanas desde que foi lançado em novembro.

A quantidade de iPads também subiu, passando de 13.081 unidades para 13.170 unidades, uma alta de 1%. A receita de iPads, por sua vez, apresentou avanço de 6%, ao subir de US$ 5,533 bilhões para US$ 5,862 bilhões. Já a quantidade de Macs vendidos caiu 5%, passando de 5.374 unidades para 5.112 unidades, enquanto a receita recuou 5%, baixando de US$ 7,24 bilhões para US$ 6,90 bilhões.

Para o período entre janeiro e março, a Apple espera que a receita fique entre US$ 60 bilhões e US$ 62 bilhões, resultado abaixo do esperado por analistas, que previam que a receita do segundo trimestre fiscal fosse de US$ 65,4 bilhões.

No entanto, o valor está acima da receita de US$ 52,89 bilhões do período entre janeiro e março do ano passado. Após registrar lucro e receita recordes, a ação da Apple subia 0,75% no after hours em Nova York. No entanto, o papel da empresa chegou a cair devido à perspectiva abaixo do consenso do mercado para a receita no segundo trimestre fiscal.

Acompanhe tudo sobre:AppleBalançosiPhone

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame