Negócios

Ambev compra a cervejaria artesanal Wäls, de Minas

A cervejaria mineira tem hoje faturamento anual de cerca R$ 9 milhões e produz 500 hectolitros de cerveja por mês


	No mesmo caneco: Wäls é a primeira cerveja artesanal comprada pela Ambev
 (.)

No mesmo caneco: Wäls é a primeira cerveja artesanal comprada pela Ambev (.)

Tatiana Vaz

Tatiana Vaz

Publicado em 10 de fevereiro de 2015 às 14h34.

São Paulo – Seguindo a estratégia de investir em cervejas especiais, a Ambev fechou hoje a compra da premiada cervejaria mineira Wäls.

Com a aquisição, a Wäls une-se à Cervejaria Bohemia e seus sócios José Felipe Carneiro e Tiago Carneiro farão parte da área de inovação da empresa.

O negócio dá à Ambev a inserção em seu portfólio da primeira cerveja artesanal do grupo, um caminho que a empresa já vinha abrindo com o lançamento da Bohemia Reserva, da Jabutiba, da Bela Rosa e da Caá-Yari.

Para a Wäls, a grande vantagem é a chance de se tornar uma marca global, já que a Ambev faz parte da AB-Inbev e tem forte presença na Bélgica e Estados Unidos.

“Vamos unir o melhor dos dois mundos e trocar experiências para continuar surpreendendo nossos consumidores”, afirma Daniel Wakswaser, diretor de Marketing da Bohemia, por meio de comunicado.

A cervejaria mineira tem hoje faturamento anual de cerca R$ 9 milhões e produz 500 hectolitros de cerveja por mês.

O valor investido na compra da companhia não foi revelado pela Ambev. 

Por enquanto, a Cervejaria Bohemia e a Wäls seguem operando de maneira independente, tanto na produção quanto na distribuição de seus produtos, comentou a Ambev em teleconferência com jornalistas.

"Nossas receitas são intocáveis", garantiu o sócio da Wäls, "mas trabalharemos em conjunto na criação de novas fórmulas."

Acompanhe tudo sobre:AmbevBebidasbebidas-alcoolicasCervejasEmpresasEmpresas abertasEmpresas belgasFusões e Aquisições

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame