Para entender: Vladimir Putin

Ex-espião da KGB, Putin não é uma exceção entre os líderes russos, historicamente discretos e que tentam mostrar liderança forte
 (Mikhail Klimentyev/Reuters)
(Mikhail Klimentyev/Reuters)
Por Carolina RiveiraPublicado em 03/02/2017 13:24 | Última atualização em 02/07/2020 07:57Tempo de Leitura: 12 min de leitura

A Rússia está de volta ao jogo da geopolítica. O país da Europa oriental tem se portado cada vez mais como herdeiro soviético e, apesar de a Guerra Fria ter acabado há mais de 20 anos, novos embates com o Ocidente já se delineiam no mapa. Para resgatar seu título de superpotência, o país tem tem feito questão de provar sua influência no tabuleiro, marcando presença nos assuntos que vão da Síria aos Estados Unidos. O mestre nesse xadrez imperialista? Vladimir Putin.

No poder desde 2000, o presidente russo representa, para grande parte da população de seu país, aquele que estabilizou o país após a queda da URSS na década de 90 e que não se curva aos interesses ocidentais. “Ele não é um grande orador, não é um líder carismático, mas chega até o russo médio porque passa credibilidade. Ele representa o que muitos acreditam ser um poder necessário para resgatar a autoridade russa que foi perdida”, diz o historiador Sidney Ferreira Leite, especialista em Relações Internacionais e pró-reitor do Centro Universitário Belas-Artes.

Um homem fisicamente forte, ex-espião do serviço secreto soviético e centralizador, Putin é respeitado por seus conterrâneos, mas seu perfil discreto e ao mesmo tempo incisivo intriga o resto do mundo. Para o senador americano John McCain, Vladimir Putin é um “assassino e um agente da KGB”. Já para Donald Trump, “um líder bem melhor” do que o ex-presidente americano Barack Obama. 

O homem da KGB

Filho de uma operária e de um soldado da marinha que lutou na Segunda Guerra, o homem mais poderoso da Rússia cresceu num subúrbio de São Petersburgo, segunda maior cidade do país — chamada de Leningrado até 1991, herança da Revolução Russa que instaurou o comunismo em 1917. Nascido em 1952, foi criado como filho único, uma vez que os irmãos morreram ainda crianças. “Não posso dizer que éramos uma família muito emocional. Não conversávamos muito”, contou ao documentário The World’s Most Powerful President, da rede americana Freedom TV.

Em 1975, então com 24 anos anos, entrou para o treinamento da KGB, o serviço secreto russo, logo após concluir o curso de Direito pela Universidade de Leningrado. Por seu alemão fluente, trabalhou para a KGB na Alemanha Oriental e viu de perto o início da queda do Muro de Berlim, em 1989. O presidente conta que queimou documentos da KGB, na ocasião, para que opositores não os encontrassem. Putin permaneceria no serviço secreto até 1991.

De volta a São Petersburgo, Putin se aproximou do então prefeito Mayor Sobchak. Em 1994, se tornou vice-prefeito da cidade — e seria o início de sua vida pública. Dois anos depois, já em Moscou, conheceu o alto escalão da política russa. A escalada foi rápida. Passou a integrar a FSP, agência de inteligência que substituiu a KGB após o fim da URSS, foi nomeado diretor da instituição, logo depois garantiu o cargo de secretário do Conselho de Segurança e, em 1999, foi escolhido para ser primeiro-ministro do então presidente Boris Yeltsin — o primeiro líder eleito democraticamente após o fim da URSS.

Para muitos, boa parte da rápida ascensão de Putin se deve ao apoio de Yeltsin, e a relação dos dois é vista como controversa. Circula um boato de que Putin, no comando da FSP, teria chantageado o procurador-geral russo, Yury Skuratov, para impedir que ele investigasse o envolvimento de Yeltsin em um esquema de propina. Por isso, Yeltsin é acusado de ter escolhido Putin para ser seu braço-direito apenas por acreditar que ele, no futuro, o protegeria novamente de outras investigações.

Ninguém pode dizer que Yeltsin não estava certo: talvez por herança dos treinamentos de KGB, Putin tem fama de ser extremamente leal com os amigos. Quando assumiu a presidência pela primeira vez, em 2000, perguntaram qual era seu colega mais digno de confiança. Ele citou cinco pessoas na ocasião e, 17 anos depois, todas elas ainda ocupam cargos do alto escalão do governo.

O 11 de setembro russo

Yeltsin não só nomeou Putin como primeiro-ministro como anunciou que apostava nele para ser seu sucessor — e o seu pupilo, de fato, venceu as eleições do ano seguinte. Se hoje Vladimir Putin é o nome mais forte da política russa, na época ele era apenas um ex-espião da KGB praticamente desconhecido. Como conseguiu votos suficientes para se eleger presidente? Sua popularidade cresceu logo no início do seu trabalho como premiê, graças a uma ofensiva militar que muitos estudiosos classificam como o “11 de setembro russo”.

No fim da década de 1990, quando o império soviético se desmantelava, um dos territórios em disputa era a Chechênia, que se proclamara independente em 1991. Para retomar o controle da região, Yeltsin iniciou a Primeira Guerra da Chechênia em 1994, e o embate terminou com uma derrota da Rússia. Mas uma nova ofensiva russa liderada por Putin retomou o território. E a nova investida russa, mais dura, foi justificada por um atentado a um prédio residencial no centro de Moscou, que terminou com a morte de dezenas de russos. Segundo o governo, o ataque foi articulado pelos chechenos, mas, para os oposicionistas, Putin forjou o atentado para justificar a guerra e, de quebra, fortalecer seu nome no radar da política nacional. Uma jornalista e um ex-espião russo que tentaram investigar o caso apareceram mortos anos depois.

O fato é que o caso fez mesmo a popularidade de Putin crescer. Em dezembro de 1999, Yeltsin renunciou e Putin se tornou presidente interino. Em 2000, venceu as eleições logo no primeiro turno, com 53% dos votos. Putin está em seu terceiro mandato como presidente (2000, 2004 e 2012). Como a Constituição russa não permite três mandatos seguidos, nas eleições de 2008, ele voltou a ser primeiro-ministro e apoiou Dmitry Medvedev — seu atual premiê e escolhido a dedo para substituí-lo na presidência até que ele pudesse retornar ao cargo em 2012. Na prática, é Putin quem manda no país há mais de 16 anos. E, para as eleições de 2018, seu partido Rússia Unida já aparece com 40% de favoritismo nas pesquisas de intenção de voto.

Uma ajudinha do petróleo

Sua popularidade é inegável. Uma pesquisa de agosto do Levada Center, instituto russo independente e visto como confiável pela comunidade internacional, identificou que o presidente tinha 82% de aprovação. Outra pesquisa, do também confiável Associated Press-NORC Center for Public Affairs Research, mostrava uma percepção positiva de 81% em 2014. E, na receita do sucesso, um dos ingredientes foi a crise.

Putin assumiu num período economicamente muito difícil para a Rússia: após o fim da União Soviética, os primeiros presidentes, Mikhail Gorbachev e Boris Yeltsin, implantaram um plano de transição para o capitalismo, com privatização desenfreada que beneficiou oligarquias próximas ao governo. O resultado foi desastroso. “Com Yeltsin e Gorbachev, a Rússia perdeu o status de grande potência, e a década de 1990 foi um período de exceção na história de poder do país”, diz o historiador Angelo Segrillo, professor da USP e autor do livro Rússia: Europa ou Ásia.

Enquanto bilhões de dólares da elite russa eram enviados para o exterior, a Rússia se endividava com o Fundo Monetário Internacional, e o PIB caiu 40% só em 1999. “O colapso da União Soviética foi seguido pelo fim da segurança, um descontrole. Então o Putin veio e trouxe algum tipo de estabilidade, de segurança”, diz a historiadora Marci Shore, da Universidade Yale, e autora de The Taste of Ashes: The Afterlife of Totalitarianism in Eastern Europe (“O gosto das cinzas: a vida póstuma do totalitarismo na Europa Oriental”, em tradução livre).

Quando Putin assumiu, implantou algumas reformas, como a desvalorização do rublo russo, para favorecer as exportações. E os preços das commodities voltaram a crescer a partir de 2000. O barril de petróleo, um dos principais produtos russos, passou de 10 dólares para 100, em 2008. Resultado: na era Putin, o PIB subiu cerca de 7% ao ano, a renda e o consumo aumentaram e o número de pessoas abaixo da linha da pobreza caiu de 30% em 2000 para 14% em 2008. “Putin veio logo depois do fundo do poço e recentralizou o Estado”, diz Segrillo. “Muitos gostaram porque acham que ele colocou ordem na casa”. Os líderes centralizadores costumam ser um sucesso na Rússia – uma tradição que se estendeu desde o período dos czares até a Revolução Russa.

O macho-alfa russo

Embora Putin governe a Rússia há mais de uma década, pouco se sabe sobre sua vida pessoal. Do casamento de 30 anos com Lyudmila Shkrebneva, de quem se divorciou em 2013, vieram duas filhas, cujas identidades são guardadas a sete chaves. Uma reportagem da agência de notícias Reuters apurou, embora sem conseguir confirmar a informação, que ambas são pesquisadoras e não usam o sobrenome Putin para não serem identificadas. Ora ou outra, o assunto volta à tona. “Eu nunca disse onde exatamente minhas filhas trabalham, o que elas fazem, e não pretendo fazê-lo agora por muitas razões, incluindo por uma questão de segurança”, declarou o presidente em dezembro passado.

De qualquer forma, Putin não é uma exceção entre os líderes russos, e que a discrição é quase uma característica cultural. “Nos Estados Unidos, tudo é muito público. Os candidatos fazem campanha com suas famílias, todo mundo conhece Michele Obama ou Jackie Kennedy. Mas na Rússia, eles quase nunca falam sobre isso”, diz a cientista política Valerie Sperling, professora da Universidade Clark e membro do Davis Center para Estudos da Rússia e da Eurásia.

Mas a discrição não impede que a imagem pessoal de Putin seja explorada — e trabalhe a seu favor. Principalmente nos primeiros anos de mandato, circulavam fotos do presidente cavalgando sem camisa, praticando esportes ou caçando animais selvagens. E esse é um dos fatores que o fazem reforçar a imagem de liderança e transmitir confiança aos russos. No artigo Capitalismo, autocracia e masculinidades na Rússia, a pesquisadora Tatiana Zhurzhenko estudou como Putin representa o típico homem soviético, o chamado muzhyk — independente, forte, trabalhador, patriota e leal. “O país inteiro sabe a lista de hobbies heróicos do presidente. Isso inclui lutar judô, andar a cavalo, mergulhar, pilotar uma Harley-Davidson ou um avião de caça, resgatar animais selvagens”, escreve Zhurzhenko.

Cerco fechado à oposição

No começo, embora sempre controlador, Putin tentava administrar uma oposição relativamente plural. Mas, com o crescimento dos movimentos contrários ao seu governo, ele vem se tornando cada vez mais autoritário, controlando a imprensa, divulgando estatísticas estatais imprecisas e perseguindo inimigos políticos — são mais de 100 pessoas presas por orientação ideológica na Rússia, segundo a ONG de direitos humanos russa Memorial. Nas eleições de 2012, observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa alegaram que faltou aos adversários de Putin “acesso genuíno” à mídia.

As investidas mais autoritárias do presidente não deixam de ser uma forma de manter o controle frente às ameaças. Para a historiadora e cientista política russa Lilia Shevtsova, pesquisadora da organização Chatham House de Londres e autora do livro A Rússia de Putin, “mais da metade da população já diz que a Rússia precisa de uma oposição. E essa oposição vai crescer, inevitavelmente. Mas é difícil dizer quando”. A economia está capenga: com a queda nos preços do petróleo e outras commodities desde 2014 e as sanções econômicas do Ocidente, devido à anexação da Crimeia, o PIB russo caiu mais de 50% entre 2014 e 2015. 

E os problemas não estão só dentro de casa. A aproximação da Ucrânia com a Europa Ocidental e com a Otan, aliança militar ocidental, preocupa Putin. E o discurso da organização de que precisa proteger os países bálticos da influência russa, ex-territórios soviéticos, também. “Putin recupera a visão de que a Rússia é o poder central da Eurásia, e que tem o direito de exercer hegemonia sobre os países da região”, diz Sidney Ferreira Leite, da Belas-Artes. Por isso foi tão importante para Putin anexar a Crimeia em 2014: o episódio serviu para mostrar ao Ocidente quem manda na região.

Para conseguir manter sua popularidade alta, é fundamental manter a postura bélica. De acordo com a pesquisadora Lilia Shevtsova, o presidente usa “um conflito político atrás do outro” para se “re-energizar” com o eleitorado. E para realçar sua principal força – a militar – para o resto do mundo. O principal território de influência da Rússia, hoje, é a Síria. Aliado de Bashar al-Assad e com atuação relevante do país, Putin conseguiu mostrar que, se o mundo quiser frear a maior crise de refugiados da história e combater o Estado Islâmico, a conversa vai precisar passar por ele. “Se envolver com a Síria foi o jeito do Putin de voltar para a mesa”, diz Valerie Sperling, da Clark University.

À distância, Putin também se tornou protagonista das eleições presidenciais americanas, se posicionando como aliado do republicano Donald Trump, após anos de sucessivos embates com o democrata Barack Obama. Mas as polêmicas não podiam ficar de lado: há suspeitas de que a Rússia teria tentado interferir no processo eleitoral e o FBI confirmou que hackers russos vazaram e-mails do Partido Democrata – não se sabe de a mando do governo ou não.

Assim que o novo presidente assumiu, ficou acertado que os dois países – historicamente inimigos – normalizariam as relações. Mas, ao lidar com um estrategista como Putin, é sempre difícil saber quais suas reais intenções. Em janeiro, um espião britânico também vazou um dossiê afirmando que a Rússia supostamente teria dados comprometedores sobre Trump – e que eles seriam usados para chantageá-lo no futuro. “Putin faz questão de deixar claro que ninguém vai tirar vantagem do seu país”, analisa Sperling. “Ele é o cara que quer fazer a Rússia great again”.