Acompanhe:

Ucrânia lutará até o fim, afirma Zelensky no Dia da Independência

"Não nos importamos com o exército que vocês têm, só nos importamos com nossa terra. Lutaremos por ela até o fim", declarou o presidente em um vídeo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Zelensky: presidente da Ucrânia diz que país lutará até o fim (Samir Hussein/Getty Images)

Zelensky: presidente da Ucrânia diz que país lutará até o fim (Samir Hussein/Getty Images)

A
AFP

Publicado em 24 de agosto de 2022 às, 06h48.

Última atualização em 24 de agosto de 2022 às, 06h49.

A Ucrânia lutará "até o fim" contra a invasão russa, sem fazer nenhuma concessão ou compromisso, afirmou nesta quarta-feira (24) o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em uma mensagem do Dia da Independência do país, que também marca os seis meses de guerra.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

"Não nos importamos com o exército que vocês têm, só nos importamos com nossa terra. Lutaremos por ela até o fim", declarou Zelensky em um vídeo.

"Permanecemos firmes há seis meses. É difícil, mas cerramos os punhos e estamos lutando pelo nosso destino", acrescentou.

"Para nós, a Ucrânia é toda a Ucrânia. Todas as 25 regiões, sem qualquer concessão ou compromisso".

"O que é para nós o fim da guerra? Antes respondíamos 'paz'. Agora dizemos 'vitória'. Não vamos tentar nos dar bem com os terroristas russos", disse Zelensky.

Também nesta quarta-feira, o presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, principal aliado da Rússia, feliciou o povo ucraniano no Dia da Independência.

"Estou convencido de que as atuais divergências não poderão destruir a base multissetorial das relações sinceras de boa vizinhança entre os povos dos dois países", afirmou Lukashenko em uma mensagem.

Belarus continuará defendendo o "reforço dos contatos amistosos baseados no respeito mútuo em todos os níveis com Kiev", acrescentou.

"O presidente bielorrusso desejou aos ucranianos um céu pacífico, tolerância, coragem e força para restabelecer um bom caminho", acrescentou o serviço de imprensa de presidência.

Principal aliado de Moscou, o presidente Lukashenko, que governa Belarus desde 1994, deu ao exército russo acesso a seu território para que pudesse iniciar a ofensiva contra a Ucrânia em 24 de fevereiro.

LEIA TAMBÉM:

Ucrânia reconhece morte de 9 mil soldados nos seis meses de guerra

Quem é Alexander Dugin, o 'guru de Putin', que perdeu filha em explosão na Rússia

Zelensky alerta para risco de ações 'especialmente cruéis' da Rússia nesta semana

Últimas Notícias

Ver mais
Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve
Brasil

Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve

Há 4 horas

Guerra atrapalha conserto de cabo submarino danificado no Mar Vermelho
Mundo

Guerra atrapalha conserto de cabo submarino danificado no Mar Vermelho

Há 4 horas

Rússia ensaiou usar armas nucleares e temeu invasão da China, diz jornal
Mundo

Rússia ensaiou usar armas nucleares e temeu invasão da China, diz jornal

Há 6 horas

Vencedor de Nobel da Paz é condenado à prisão na Rússia por críticas à guerra na Ucrânia
Mundo

Vencedor de Nobel da Paz é condenado à prisão na Rússia por críticas à guerra na Ucrânia

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais