Mundo

Ucrânia atinge complexo russo na Crimeia com mísseis fornecidos pelos EUA

Ataque aconteceu na quinta-feira, 23, em meio a uma tentativa crescente de desacelerar investidas da Rússia

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 24 de maio de 2024 às 11h31.

Última atualização em 24 de maio de 2024 às 12h45.

A Ucrânia atingiu um complexo militar russo na Crimeia com mísseis de longo alcance fornecidos pelos Estados Unidos na noite de quinta-feira, 23, em uma crescente série de ataques destinados a desacelerar a máquina de guerra russa.

O ataque atingiu um centro de comunicações das forças de defesa aérea russas na cidade de Alushta, segundo uma autoridade de defesa ucraniana. Canais de mídia social da Crimeia relataram diversas explosões na cidade costeira, mas a extensão dos danos ainda é desconhecida.

Enquanto as forças ucranianas lutam para conter os russos ao longo das frentes norte e leste, o chamado Sistema de Mísseis Táticos do Exército (ATACMS, pela sigla em inglês) permitiu a Kiev ameaçar o domínio da Rússia na Crimeia, concentrando-se principalmente em alvos de alto valor, como sistemas de defesa aérea, caças e navios de guerra.

Em abril, usando uma variante de longo alcance do ATACMS que Washington começou a fornecer secretamente a Kiev neste ano, as forças ucranianas atingiram um campo de aviação na Crimeia, destruindo vários lançadores de mísseis e radares avançados de defesa aérea russos, segundo autoridades ucranianas. Elas atingiram outro campo de aviação da Crimeia na semana passada, aparentemente derrubando várias aeronaves, segundo imagens de satélite.

Nesta semana, oficiais militares ucranianos disseram que atingiram o porto de Sebastopol, danificando um navio de guerra. Embora Kiev não tenha especificado quais armas foram usadas, autoridades russas na Crimeia disseram ter abatido nove mísseis ATACMS na noite do ataque.

Na noite de quinta-feira, Sergei Aksyonov, oficial da Rússia designado para a Crimeia, escreveu no Telegram que mísseis ucranianos mataram dois "transeuntes" e que uma "propriedade comercial vazia" foi danificada. Ele, porém, não fez menção a eventuais danos no centro de comunicações de Alushta.

Acompanhe tudo sobre:UcrâniaRússia

Mais de Mundo

Tesla aumenta vendas de veículos elétricos na China em maio, em meio à recuperação da demanda

Eleições na Índia: Modi caminha para terceiro mandato com resultado abaixo do esperado nas urnas

China deixa "letra patriótica" na superfície da Lua

Premiê britânico promete reduzir cotas de imigração se vencer eleições

Mais na Exame