Mundo

Temer evita uso do termo 'faxina' para demissões

Para Temer, a decisão de Dilma de abrir diálogo direto com os líderes dos partidos aliados é "uma medida muito útil"

Vice-presidente evitou comentar sobre novas demissões no Ministério dos Transportes, por conta das denúncias de superfaturamento e desvio de dinheiro público (Lailson Santos/Veja)

Vice-presidente evitou comentar sobre novas demissões no Ministério dos Transportes, por conta das denúncias de superfaturamento e desvio de dinheiro público (Lailson Santos/Veja)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de agosto de 2011 às 09h35.

Rio - No dia seguinte da saída do peemedebista Wagner Rossi do Ministério da Agricultura, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) responsável pela indicação do ex-ministro, minimizou a crise na base do governo e rejeitou o termo "faxina" para as modificações feitas pela presidente Dilma Rousseff. "Zero estremecimento. A vida continua. Não há estremecimento algum", afirmou Temer na noite de hoje, ao chegar à sede da Academia Brasileira de Filosofia, onde recebeu o título de doutor honoris causa, no Rio de Janeiro.

Para Temer, a decisão de Dilma de abrir diálogo direto com os líderes dos partidos aliados é "uma medida muito útil". O vice disse que a presidente "insistiu muito para que o ex-ministro Wagner Rossi continuasse", mas que ele decidiu sair "por motivos familiares". Questionado sobre a continuidade da "faxina", Temer disse que a "palavra é equivocada" e preferiu falar em "modificações que se mostraram necessárias".

"O vocábulo tem grande significação de compreensão popular, mas não é essa a intenção do governo. A intenção é melhorar cada vez mais a máquina administrativa para governar bem", afirmou o vice-presidente. "Não sei o que vai acontecer no futuro, mas o governo está prosseguindo com toda tranquilidade e a base aliada continua aliada", concluiu Temer.

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoEscândalosFraudesGoverno DilmaMDB – Movimento Democrático BrasileiroMichel TemerPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileiros

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame