Acompanhe:

O site chinês de microblog Weibo está pedindo aos seus usuários que não publiquem conteúdo negativo sobre a economia do país, uma medida que sublinha as preocupações com a desaceleração do crescimento doméstico.

O serviço de rede social, muitas vezes comparado ao X, enviou avisos aos usuários para que “evitem expressar pessimismo sobre a economia”, de acordo com uma pessoa que recebeu o comunicado que circulou online e confirmou à Bloomberg News.

Um usuário do Weibo focado em finanças, com mais de 76 mil seguidores disse em uma postagem na noite de quinta-feira que foi instruído em particular a postar menos sobre a economia e, em vez disso, compartilhou um vídeo divertido sobre o beisebol dos Estados Unidos. Outro blogueiro chinês que fala sobre mercados, com mais de 16.000 seguidores, postou um aviso pedindo aos blogueiros para que “evitem cruzar os limites”, especialmente em torno de tópicos econômicos ou financeiros. Os representantes do Weibo não responderam a um pedido de comentário.

A orientação de um dos sites de redes sociais mais populares da China surge num momento em que os principais líderes do país procuram restaurar a confiança, enquanto se comprometem a reforçar o crescimento fiscal. Em uma reunião do Politburo na semana passada, funcionários de alto escalão do Partido Comunista no poder prometeram fortalecer a orientação para a opinião pública sobre assuntos econômicos. Dados econômicos mistos mostraram, na sexta-feira, que a recuperação após a pandemia permaneceu lenta, com fraca confiança do consumidor e uma crise imobiliária persistente.

Comentários negativos colocam em risco segurança nacional

O Ministério da Segurança do Estado disse na sexta-feira que comentários negativos sobre a economia colocariam em risco a segurança nacional. “Vários clichês destinados a minar a economia da China têm aparecido consistentemente na tentativa de usar narrativas falsas para construir uma ‘armadilha discursiva’ e uma ‘armadilha cognitiva’ de que a China está em declínio”, disse o ministério em comunicado postado em sua conta oficial do WeChat. “Esta é uma tentativa de conter e suprimir estrategicamente a China.”

Outras agências chinesas podem começar a recuar nos comentários excessivamente negativos. Os analistas da China International Capital Corp. foram proibidos de compartilhar comentários negativos sobre a economia ou mercados em discussões públicas e privadas, informou a Bloomberg News. E os analistas do Goldman Sachs atraíram uma onda de críticas em julho, após publicarem um relatório pessimista sobre os bancos chineses.

Nos últimos anos, a China intensificou os controles em todo o seu ciberespaço, incluindo a exigência de que usuários influentes exibam os seus nomes reais em público, em meio à repressão da dissidência e de informações falsas online. O Weibo, com sede em Pequim, opera em um dos regimes de censura mais rígidos do mundo. É um dos mecanismos preferidos do país para notícias de entretenimento e fofocas sobre celebridades, tópicos que estão sujeitos ao escrutínio frequente dos reguladores chineses.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Missão técnica da Agricultura vai à China para discutir protocolo sanitário de proteína animal
EXAME Agro

Missão técnica da Agricultura vai à China para discutir protocolo sanitário de proteína animal

Há 19 horas

Com exportação para China, JBS investe R$ 150 milhões e duplica capacidade em frigorífico no MS
EXAME Agro

Com exportação para China, JBS investe R$ 150 milhões e duplica capacidade em frigorífico no MS

Há 22 horas

38 frigoríficos recém-habilitados pela China devem incrementar R$ 10 bi à balança brasileira
EXAME Agro

38 frigoríficos recém-habilitados pela China devem incrementar R$ 10 bi à balança brasileira

Há 23 horas

Exportações chinesas caem 7,5% na variação anual de março
Economia

Exportações chinesas caem 7,5% na variação anual de março

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais