Acompanhe:

Sem Tillerson, trabalho diplomático nos EUA continua

ÀS SETE - Apesar da demissão do secretário, os assuntos envolvendo a reunião que pode resultar no processo de desnuclearização da Coreia do Norte não param

Modo escuro

Continua após a publicidade
TILLERSON DE SAÍDA: mudança no departamento de Estado vem em hora crucial nas negociações com a Coreia do Norte e assusta países asiáticos / REUTERS/Leah Millis

TILLERSON DE SAÍDA: mudança no departamento de Estado vem em hora crucial nas negociações com a Coreia do Norte e assusta países asiáticos / REUTERS/Leah Millis

E
EXAME Hoje

Publicado em 15 de março de 2018 às, 06h27.

Última atualização em 15 de março de 2018 às, 07h29.

A ministra de Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, chega nesta quinta-feira aos Estados Unidos onde tem reuniões com o Departamento de Estado até o sábado.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Em Washington, Kang se reuniria com o secretário de Estado Rex Tillerson e juntos dariam continuidade ao encontro entre o presidente Donald Trump e o líder do regime norte-coreano, Kim Jong-un.

O problema: Tillerson, um dos principais nomes do gabinete de Trump, foi tuítado para fora do governo na terça-feira.

Apesar da saída do ex-executivo, que fez carreira na petroleira Exxon Mobil, os assuntos do departamento de Estado não param, principalmente quando na pauta está uma reunião que poderia resultar no processo de desnuclearização da península coreana e na suavização das tensões na região.

Segundo informou em nota o Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Sul, a viagem de Kang está mantida. “Seul e Washington reconhecem que é importante manter uma coordenação firme e comunicação através de canais diplomáticos, apesar da troca de pessoal.”

Trump aceitou, na semana passada, se encontrar com Kim para resolver a questão nuclear na região e reduzir o escalonamento do conflito — e esforços estavam sendo feitos para agendar uma reunião em maio, muito provavelmente em uma zona desmilitarizada na fronteira entre as duas Coreias.

A aceitação do diálogo por Trump, depois que emissários sul-coreanos voltaram da Coreia do Norte com o convite, foi vista como inesperada por analistas políticos. Com a saída de Tillerson, governos na Ásia se preocuparam que o andamento das conversas, ainda tão frágeis, poderia estar comprometido. Taro Kono, ministro de Relações Exteriores do Japão, recebeu a notícia dizendo que Tillerson era “um ministro em quem eu podia confiar e falar candidamente”.

O encontro de Kang acontece com o vice de Tillerson, John Sullivan, enquanto Mike Pompeo, um deputado conservador indicado por Trump para assumir a pasta, ainda não foi aprovado pelo Senado.

A súbita mudança no principal nome da diplomacia americana pegou os asiáticos desprevenidos. Eles mantiveram a compostura, em nome de um objetivo maior. Resta saber se o novo Departamento de Estado, sob nova direção, irá fazer o mesmo.

Últimas Notícias

Ver mais
Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses
Mundo

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses

Há 3 horas

Que horas começa 'O Simpatizante'? Minissérie com Robert Downey Jr. estreia hoje; veja horário
Pop

Que horas começa 'O Simpatizante'? Minissérie com Robert Downey Jr. estreia hoje; veja horário

Há 13 horas

EUA não vão participar de retaliações contra o Irã, diz porta-voz da Casa Branca
Mundo

EUA não vão participar de retaliações contra o Irã, diz porta-voz da Casa Branca

Há 19 horas

Conflito no Oriente Médio: resposta de Israel, apoio dos Estados Unidos e sombra de China e Rússia
Mundo

Conflito no Oriente Médio: resposta de Israel, apoio dos Estados Unidos e sombra de China e Rússia

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais