Acompanhe:

Rússia libera R$ 44 milhões em ativos congelados da Coreia do Norte

Liberação dos fundos e abertura de conta bancária em instituição financeira na Ossetia do Sul são apontados pelo Ocidente como um movimento estratégico para contornar sanções a Pyongyang via Moscou

Modo escuro

Continua após a publicidade
A Rússia permitiu a liberação de US$ 9 milhões (R$ 44,8 milhões) dos US$ 30 milhões (R$ 149,6 milhões) em ativos norte-coreanos congelados depositados numa instituição financeira russa (Vladimir SMIRNOV /Getty Images)

A Rússia permitiu a liberação de US$ 9 milhões (R$ 44,8 milhões) dos US$ 30 milhões (R$ 149,6 milhões) em ativos norte-coreanos congelados depositados numa instituição financeira russa (Vladimir SMIRNOV /Getty Images)

A Rússia autorizou a liberação de milhões de dólares em ativos norte-coreanos congelados e pode estar ajudando o seu isolado aliado com acesso a redes bancárias internacionais, assistência que veio após a transferência de armas de Pyongyang para Moscou para utilização na Ucrânia, segundo fontes de inteligência dos EUA e ocidentais.

A Casa Branca disse, no mês passado, que tinha provas de que a Coreia do Norte tinha fornecido mísseis balísticos à Rússia, buscando ter acesso a equipamento militar em troca. Pyongyang também parece ter enviado até 2,5 milhões de munições, de acordo com uma análise de um think tank de segurança britânico.

Embora não esteja claro se a Rússia entregou à Coreia do Norte a tecnologia militar que o regime comunista desejava, os novos laços bancários seriam outro sinal do avanço constante nas relações entre os países. A parceria em expansão provavelmente encorajou o Norte, que fez uma série de ameaças nos últimos meses, dizem as autoridades norte-americanas.

A Rússia permitiu a liberação de US$ 9 milhões (R$ 44,8 milhões) dos US$ 30 milhões (R$ 149,6 milhões) em ativos norte-coreanos congelados depositados numa instituição financeira russa, segundo os responsáveis dos serviços secretos, dinheiro que dizem que o empobrecido país asiático usará para comprar petróleo bruto.

Além disso, uma empresa de fachada norte-coreana abriu recentemente uma conta em outro banco russo, dizem os responsáveis pelos serviços de inteligência, que consideram como uma prova de que Moscou pode estar ajudando o Pyongyang a contornar as sanções da ONU que proíbem a maioria dos bancos de fazer negócios com o país. Estas sanções sufocaram a economia do Norte e isolaram em grande parte o país das redes financeiras internacionais.

A nova conta bancária é mantida na Ossetia do Sul, um estado autoproclamado independente na região do Cáucaso que tem ligações estreitas com a Rússia, segundo as autoridades, que falaram sob condição de anonimato para discutir assuntos sensíveis de inteligência.

Autoridades dos EUA disseram que não poderiam confirmar as especificidades dos acordos bancários. Mas um alto funcionário, que também pediu anonimato para falar sobre questões de inteligência, disse que os acordos se enquadram nas expectativas dos EUA sobre o que a Coreia do Norte procuraria da Rússia com o envio de armas.

O acesso às redes financeiras é apenas um item da lista de desejos da Coreia do Norte, segundo especialistas. O que o Norte mais deseja da Rússia, dizem eles, é equipamento militar avançado, como tecnologia de satélite e submarinos com propulsão nuclear.

Os laços mais estreitos já produziram recompensas diplomáticas. Depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, ter se reunido com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, no leste da Rússia no ano passado, Putin reuniu-se em janeiro com o ministro dos Negócios Estrangeiros do Norte, Choe Son-hui, em Moscou.

Durante essa reunião, Putin sinalizou que poderá visitar em breve Pyongyang, a sua primeira viagem à capital da Coreia do Norte em quase 25 anos, segundo a mídia estatal do Norte.

Os acordos bancários poderão ser significativos para a Coreia do Norte, que depende das importações para sustentar grande parte da sua economia. As relações poderiam facilitar as transações não só com a Rússia, mas também com outros países. Pyongyang poderia se beneficiar das relações de Moscou com um punhado de países, incluindo a Turquia e a África do Sul, que ainda realizam comércio com a Rússia depois das sanções internacionais relativas à guerra na Ucrânia.

Se Moscou permitir que a Coreia do Norte utilize bancos russos ou liberar ativos congelados, o governo terá “cruzado o Rubicão da vontade de negociar com a Coreia do Norte e de ser um vilão financeiro e comercial”, disse Juan C. Zarate, antigo secretário assistente do Tesouro americano e especialista em crimes financeiros.

Embora a liberação de US$ 9 milhões (R$ 44,8 milhões) em ativos congelados pela Rússia seja relativamente pequena, os norte-coreanos “aceitam quaisquer formas alternativas de acesso ao capital”, disse Zarate.

As Nações Unidas e os Estados Unidos impuseram uma série de sanções à Coreia do Norte em resposta aos seus testes de armas nucleares. As sanções bancárias “têm sido um dos desafios para os norte-coreanos e a razão pela qual foram francamente criativos na forma como estabeleceram as suas redes financeiras”, incluindo o uso de criptomoedas, disse Zarate.

Para a Rússia, as transações financeiras podem ser mais palatáveis do que o fornecimento de conhecimentos militares e de tecnologia nuclear.

Embora os dois países “possam agora ser amigos com benefícios”, disse Soo Kim, antigo analista da CIA sobre a Coreia do Norte, a sua confiança não é tão grande para que a Rússia “revelasse os seus valiosos segredos”.

Especialistas disseram que a Rússia agiria com cautela porque ainda estava consciente das sanções da ONU como membro permanente do Conselho de Segurança. A Rússia, disseram eles, pode acreditar que pode contornar as sanções.

“Eles sempre podem dizer: ‘Este é um banco privado e nossos investigadores irão investigar isso’, e isso nunca irá adiante”, disse James D.J. Brown, professor de ciência política no campus da Universidade Temple em Tóquio, especializado nas relações entre a Rússia e o Leste Asiático.

Para além das relações bancárias, a Rússia pode simplesmente trocar bens que a Coreia do Norte necessita em troca das suas armas.

— O que seria lógico para a Coreia do Norte seria envolver-se em trocas de cereais e de tecnologia agrícola, como tratores, que são proibidos através de sanções — disse Hazel Smith, professora de estudos coreanos na Escola de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres. — Dada a precariedade do rublo e a completa falta de valor do won norte-coreano, é muito difícil perceber por que razão as grandes transações, quer para a Rússia quer para a Coreia do Norte, seriam realizadas em rublos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Rússia alista 16 mil novos recrutas para lutar na Ucrânia após atentado terrorista em Moscou
Mundo

Rússia alista 16 mil novos recrutas para lutar na Ucrânia após atentado terrorista em Moscou

Há 13 horas

Kim Jong-un muda discurso e se prepara para 'possível guerra'
Mundo

Kim Jong-un muda discurso e se prepara para 'possível guerra'

Há 16 horas

Zelensky reduz idade do alistamento militar na Ucrânia de 27 para 25 anos
Mundo

Zelensky reduz idade do alistamento militar na Ucrânia de 27 para 25 anos

Há um dia

Otan completa 75 anos mais forte do que nunca graças à guerra na Ucrânia
Mundo

Otan completa 75 anos mais forte do que nunca graças à guerra na Ucrânia

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais