Mundo
Acompanhe:

Presidentes de Argentina, Bolívia, Colômbia e México apoiam Cristina Kirchner

Uma sentença contra Kirchner só poderá se tornar efetiva caso for ratificada pelo Suprema Corte ou se ela perder a imunidade parlamentar

Acusada de corrupção, Cristina Kirchner teve sentença de 12 anos de prisão (Martin Acosta/Reuters)

Acusada de corrupção, Cristina Kirchner teve sentença de 12 anos de prisão (Martin Acosta/Reuters)

A
AFP

Publicado em 24 de agosto de 2022, 20h30.

Os presidentes da Argentina, Alberto Fernández da Bolívia, Luis Arce, da Colômbia, Gustavo Petro, e do México, Andrés Manuel López Obrador, apoiaram, nesta quarta-feira, 24, a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, acusada de corrupção e contra quem o Ministério Público pediu 12 anos de prisão e inabilitação política.

"Expressamos nosso mais absoluto repúdio à injustificável perseguição judicial que a atual vice-presidente Cristina Kirchner vem sofrendo", disseram os presidentes, que acusaram uma tentativa de retirá-la da "vida pública, política e eleitoral", segundo um comunicado lido pela porta-voz da presidência argentina, Gabriela Cerruti.

Kirchner, um peronista de centro-esquerda de 69 anos, é acusada junto com outras doze pessoas pelos crimes de associação ilícita e administração fraudulenta agravadas em um caso sobre suposta corrupção na licitação de obras públicas quando era presidente, entre 2007 e 2015.

O processo começou em 2019 e espera-se que os juízes emitam um veredicto antes do final do ano. A vice-presidente, que também preside o Senado, goza de imunidades parlamentares que a protegem tanto da prisão quanto da inabilitação política.

Uma sentença contra Kirchner só poderá se tornar efetiva caso for ratificada pelo Suprema Corte ou se ela perder a imunidade parlamentar.

Em meio à crescente polarização política, o pedido de prisão e inabilitação apresentado na segunda-feira pelo Ministério Público multiplicou as críticas ao tribunal por partidários de Kirchner e os pedidos de manifestação em defesa da vice-presidente.

Kirchner foi absolvida em vários casos por supostos crimes ocorridos quando ela era presidente, mas ainda enfrenta cinco processos.

LEIA TAMBÉM:

Promotor da Argentina pede 12 anos de prisão para Cristina Kirchner por corrupção

Cristina Kirchner denuncia pedido de prisão como perseguição política