Mundo

Presidentes de Argentina, Bolívia, Colômbia e México apoiam Cristina Kirchner

Uma sentença contra Kirchner só poderá se tornar efetiva caso for ratificada pelo Suprema Corte ou se ela perder a imunidade parlamentar

Acusada de corrupção, Cristina Kirchner teve sentença de 12 anos de prisão (Martin Acosta/Reuters)

Acusada de corrupção, Cristina Kirchner teve sentença de 12 anos de prisão (Martin Acosta/Reuters)

A

AFP

Publicado em 24 de agosto de 2022 às 20h30.

Os presidentes da Argentina, Alberto Fernández da Bolívia, Luis Arce, da Colômbia, Gustavo Petro, e do México, Andrés Manuel López Obrador, apoiaram, nesta quarta-feira, 24, a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, acusada de corrupção e contra quem o Ministério Público pediu 12 anos de prisão e inabilitação política.

"Expressamos nosso mais absoluto repúdio à injustificável perseguição judicial que a atual vice-presidente Cristina Kirchner vem sofrendo", disseram os presidentes, que acusaram uma tentativa de retirá-la da "vida pública, política e eleitoral", segundo um comunicado lido pela porta-voz da presidência argentina, Gabriela Cerruti.

Kirchner, um peronista de centro-esquerda de 69 anos, é acusada junto com outras doze pessoas pelos crimes de associação ilícita e administração fraudulenta agravadas em um caso sobre suposta corrupção na licitação de obras públicas quando era presidente, entre 2007 e 2015.

O processo começou em 2019 e espera-se que os juízes emitam um veredicto antes do final do ano. A vice-presidente, que também preside o Senado, goza de imunidades parlamentares que a protegem tanto da prisão quanto da inabilitação política.

Uma sentença contra Kirchner só poderá se tornar efetiva caso for ratificada pelo Suprema Corte ou se ela perder a imunidade parlamentar.

Em meio à crescente polarização política, o pedido de prisão e inabilitação apresentado na segunda-feira pelo Ministério Público multiplicou as críticas ao tribunal por partidários de Kirchner e os pedidos de manifestação em defesa da vice-presidente.

Kirchner foi absolvida em vários casos por supostos crimes ocorridos quando ela era presidente, mas ainda enfrenta cinco processos.

LEIA TAMBÉM:

Promotor da Argentina pede 12 anos de prisão para Cristina Kirchner por corrupção

Cristina Kirchner denuncia pedido de prisão como perseguição política

Acompanhe tudo sobre:Carreira internacionalCorrupçãoCristina KirchnerObras públicas

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame