Mundo

Polícia da França usa gás lacrimogêneo para conter protestos

Os manifestantes se opõem a impostos que Macron implementou no ano passado para o diesel e gasolina

Protesters wearing yellow vest, a symbol of a French drivers' protest against higher fuel prices, build a barricade during clashes on the Champs-Elysees in Paris, France, November 24, 2018. REUTERS/Benoit Tessier (BENOIT TESSIER/Reuters/Reuters)

Protesters wearing yellow vest, a symbol of a French drivers' protest against higher fuel prices, build a barricade during clashes on the Champs-Elysees in Paris, France, November 24, 2018. REUTERS/Benoit Tessier (BENOIT TESSIER/Reuters/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 24 de novembro de 2018 às 10h56.

PARIS (Reuters) - A polícia francesa usou gás lacrimogêneo e canhões de água neste sábado, ​​em Paris, para dispersar manifestantes irritados com o aumento dos preços de combustíveis e políticas econômicas do presidente Emmanuel Macron, no segundo fim de semana de protestos dos "coletes amarelos".

Várias centenas de manifestantes se reuniram no Champs-Élysées, onde entraram em confronto com a polícia, que tentava impedi-los de chegar perto do palácio presidencial.

Alguns manifestantes cantaram o hino nacional, enquanto outros carregavam cartazes com slogans "Macron, renúncia" e "Macron, ladrão".

Por mais de uma semana, os manifestantes vestidos com coletes fluorescentes amarelos, que os condutores devem ter em seus carros, bloquearam estradas em todo o país queimando pneus, enquanto comboios de caminhões se moveram lentamente, obstruindo tanques de combustíveis, centros comerciais e algumas fábricas.

Os manifestantes se opõem a impostos que Macron implementou no ano passado para o diesel e gasolina, destinados a incentivar o uso de energia ambientalmente amigável.

Junto com a taxa, o governo ofereceu incentivos para a compra de veículos "verdes" ou elétricos.

A forças de segurança temem que integrantes de extrema esquerda e direita possam se infiltrar nas manifestações, o que aumentaria o desafio de controlar as multidões.

No sábado, cerca de 3.000 policiais foram enviados a Paris, informou o conselho da cidade.

No último sábado, quase 300 mil pessoas participaram das primeiras manifestações dos "coletes amarelos" em todo o país, segundo grupos de consumidores.

Acompanhe tudo sobre:CombustíveisEmmanuel MacronFrançaGasolinaÓleo dieselParis (França)

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame