A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Pela 1ª vez, Itália bloqueia venda de vacinas da AstraZeneca para Austrália

Até agora, a Itália foi o primeiro país a efetivamente bloquear a exportação de vacinas já vendidas. A medida pode levar a um aumento no protecionismo com relação ao tema e retaliação contra a UE

A diplomacia das vacinas ganhou uma nova turbulência nesta quinta-feira, 4. A Itália bloqueou uma remessa de doses da vacina da AstraZeneca que seriam enviada para a Austrália.

O lote bloqueado foi de 250.000 doses. A notícia foi divulgada primeiro pelo jornal britânico Financial Times e confirmada por oficiais em Bruxelas, sede da União Europeia, e na Itália.

O movimento acontece dias depois de o novo primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, ex-presidente do Banco Central Europeu, afirmar em reunião da União Europeia que o bloco deveria ter uma postura mais dura contra empresas que não respeitam as datas de entrega.

O bloqueio tem por base uma regulação recente da União Europeia. Pela regra, que busca, segundo a UE, maior "transparência" na comercialização, os países membros têm de avisar o bloco quando autorizarem ou negarem a remessa de vacinas para o exterior, mesmo que sejam de posse das empresas fabricantes.

A UE questiona que a AstraZeneca está atrasando entregas para o bloco. Outro ponto sensível para o bloco europeu é o fato de que as entregas para o Reino Unido -- que deixou a UE oficialmente após o Brexit -- têm sido feitas sem maiores atrasos. O Reino Unido é um dos países que mais vacinaram no mundo até agora.

Já a AstraZeneca afirma que não tem conseguido produzir as quantidades prometidas, e que o Reino Unido aprovou a vacina antes da UE, o que fez o país receber doses mais cedo. A EMA, agência reguladora do bloco europeu, só aprovou a vacina em 29 de janeiro, quase dois meses após os britânicos.

A AstraZeneca anunciou em fevereiro que conseguiria entregar só metade das doses prometidas à UE, que pagou por parte do desenvolvimento da vacina, feita em parceria com a Universidade de Oxford. As entregas esperadas para o segundo semestre foram cortadas de 180 milhões para 90 milhões de doses, segundo a imprensa europeia.

Até agora, a Itália foi o primeiro país a efetivamente bloquear a exportação de vacinas já vendidas. A medida pode levar a um aumento no protecionismo com relação ao tema.

O protecionismo da UE vem em meio à vacinação ainda mais lenta do que o esperado. Dentre os países que fazem parte da União Europeia, foram aplicadas 35,6 milhões de doses das vacinas até agora. Embora seja uma das maiores taxas do mundo, o número representa cerca de 8 doses a cada 100 habitantes do bloco.

A proporção da população vacinada está muito atrás de países como EUA (24 doses a cada 100 habitantes) e Reino Unido (32 doses a cada 100 habitantes), o que tem gerado críticas no bloco. A título de comparação, o Brasil aplicou cerca de 4 doses a cada 100 habitantes.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também