Acompanhe:

O papa Francisco se reuniu nesta quarta-feira, 22, de maneira separada, com parentes de reféns israelenses em Gaza e de presos palestinos em Israel, e destacou que os dois lados estão "sofrendo muito".

No final de sua audiência semanal no Vaticano, o pontífice argentino, de 86 anos, anunciou que recebeu as duas delegações, "uma de israelenses que têm familiares como reféns em Gaza e outra de palestinos que têm familiares prisioneiros em Israel".

"Sofrem muito e eu ouvi como ambos estão sofrendo", acrescentou o papa.

"As guerras fazem isto, mas aqui nós fomos além das guerras. Isto não é uma guerra, isto é terrorismo", acrescentou, sem especificar se fazia referência aos ataques do Hamas em 7 de outubro contra Israel, à operação israelense efetuada como resposta ou a ambas.

O Vaticano explicou na semana passada que, com os encontros privados, "de natureza exclusivamente humanitária", o bispo de Roma pretendia mostrar sua "proximidade espiritual".

Rachel Goldberg, que teve o filho Hersh Goldberg-Polin, 23 anos, sequestrado pelo Hamas, disse que tem esperança na "grande influência" do papa.

"Ele é muito respeitado no mundo muçulmano, no mundo judaico, independente da confissão. Acredito que quando ele fala, o mundo escuta de verdade", declarou em uma entrevista coletiva em Roma, ao lado de outras famílias, após o encontro com o papa, que durou quase 20 minutos.

As famílias pedem permissão de acesso à Cruz Vermelha aos reféns. "Acreditamos que o Santo Padre tem a influência necessária no mundo para que isto aconteça", afirmou Goldberg.

Israel e o movimento islamista palestino Hamas anunciaram nesta quarta-feira um acordo que permitirá a libertação de pelo menos 50 reféns israelenses e de presos palestinos, durante uma trégua de quatro dias na Faixa de Gaza, após semanas de bombardeios incessantes.

Durante a trégua, o Hamas libertará 50 mulheres e crianças que foram sequestradas na ofensiva de 7 de outubro no sul de Israel.

Nos ataques, executados de maneira surpreendente e coincidindo com o final de um feriado judaico, o Hamas matou 1.200 pessoas, a maioria civis e de todas as idades. As vítimas foram baleadas, queimadas vivas ou mutiladas. Os combatentes do grupo islamista também sequestraram 240 pessoas.

Israel declarou guerra ao Hamas e, desde então, bombardeia de modo incessante a Faixa de Gaza, que está sob cerco total. Segundo o movimento islamista, que governa o território, os ataques israelenses mataram mais de 14.000 pessoas, a maioria civis e incluindo milhares de crianças.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 10 horas

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Mundo

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Há 10 horas

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio
Mundo

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio

Há 10 horas

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel
Mundo

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais