Acompanhe:

Um país vizinho ao Brasil se tornou o que mais cresce no mundo: a Guiana deve ver sua economia aumentar 38% neste ano, projeta o FMI. A alta é puxada pelo forte aumento da exploraçao de petróleo na região equatorial, também perto da Amazônia.

O avanço da Guiana, puxado pela expansão do petróleo, esquenta o debate sobre a possibilidade de o Brasil também explorar reservas no mar próximo à foz do rio Amazonas. Um pedido da Petrobras feito ao Ibama para prospectar campos na região foi negado, mas o tema segue em debate no governo Lula.

Em 2022, o PIB da Guiana foi de 14,52 bilhões de dólares, de acordo com o FMI. Como comparação, o do Brasil foi de 1,9 trilhão de dólares.

No ano passado, a Guiana já havia registrado crescimento recorde, de 62,3%. Com isso, a taxa de pobreza, que era de 60% da população em 2006, é estimada hoje em cerca de 40%. O país tem cerca de 800 mil habitantes. Foi colonizado por holandeses e britânicos e conseguiu a independência em 1966. É o único país que fala inglês na América do Sul.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) avalia que o ritmo de crescimento da Guiana deve seguir forte nos próximos anos. O fundo enviou uma missão ao país e publicou suas conclusões em meados de setembro.

"A produção de petróleo está aumentando na esteira de um terceiro campo de extração, e o crescimento nos setores não-petrolíferos é apoiado pela implantação de um programa investimento público acelerado, focado em prover transporte, habitação e controle de enchentes, e de aumento do capital humano", aponta o FMI.

O fundo aponta que outros setores da Guiana, como agricultura, mineração e serviços, também estão indo bem. A inflação, que atingiu 7,2% no fim de 2022, está em queda. Já o desemprego terminou o ano no país em 12,4%.

A entidade recomendou que o país mantenha a disciplina fiscal para conter uma possível alta da inflação, mas apontou que a dívida pública vem caindo: passou de 43,2% do PIB em 2021 para 26% em 2022. Há expectativa de que as despesas se equiparem às receitas em 2028.

A BMI, unidade de pesquisas da Fitch, também estima que o país seguirá crescendo rápido, em ritmo que será ditado pela expansão da exploração de petróleo. A consultoria estima que o volume de produção, hoje em 390 mil barris por dia, deva superar 1 milhão por dia até 2027, conforme novos campos entrem em operação.

A Exxon Mobil estima que a Guiana tenha reservas, em sua região costeira, de 11 billhões de barris de petróleo. Como comparação, o Brasil tem 14,8 bilhões de barris em reservas comprovadas e mais cerca de 49 bilhões de barris em reservas prováveis ou possíveis, segundo boletim da ANP (Agência Nacional do Petróleo).

Entre 2022 e 2031, só o pré-sal brasileiro deve gerar 8,2 bilhões de barris de petróleo, segundo projeção da Pré-Sal Petróleo, estatal criada para administrar a reserva.

Os países correm para aproveitar as reservas pois a transição energética deve diminuir a demanda por petróleo nos próximos anos. A IEA (Agência Internacional de Energia) estima que o uso global do insumo deve ter crescimento mais lento nos próximos anos e atingir seu ápice até o final desta década. Depois disso, deve vir uma queda, especialmente no uso como combustível, já que a adoção de carros elétricos avança em várias partes do mundo.

Rio Amazonas: área de exploração ficaria a cerca de 500 km da foz do rio  Foto: Leandro Fonseca / Exame

Petróleo na foz do Amazonas

A possibilidade de que o Brasil explore petróleo no mar perto da Amazônia tem gerado debate no governo e na sociedade civil. De um lado, políticos da região e alguns setores do governo federal, como o Ministério de Minas e Energia, querem que a ideia avance, pelo potencial de gerar recursos para a região Norte. O presidente Lula já defendeu publicamente a ideia.

"Você não pode ter as empresas da Noruega, dos Estados Unidos, as maiores petrolíferas do mundo no Suriname, explorando petróleo para fazerem a transição para um modelo de energia limpa e proibir o Brasil de fazer uma exploração na Linha Equatorial. Com todo o cuidado ambiental, o Brasil pode fazer essa transição", disse Jorge Viana, presidente da Apex-Brasil durante entrevista ao programa Macro em Pauta, da EXAME, na segunda-feira, 25. Viana foi prefeito de Rio Branco e governador do Acre.

Vizinho da Guiana, o Suriname, citado por Viana, tem obtido crescimento modesto: deve avançar 2,3% em 2023. O país sofre com inflação alta, que supera 40% ao ano, segundo o FMI, e enfrenta atrasos nos trabalhos para extrair petróleo de suas reservas no mar.

"O petróleo tem que ser explorado com toda rigidez e cuidado, quem sabe criando um fundo soberano que mude a vida do povo que vive na Amazônia. São 29 milhões de pessoas morando na região mais rica do planeta e que passam necessidades básicas. Se o Brasil pegar esse novo pré-sal e fizer direitinho a gente faz a transição para o modelo descarbonizado, mas colocando os brasileiros em um padrão de vida digno. As coisas não são incompatíveis", defendeu.

Em maio, o Ibama negou licença para a perfuração de um poço na região pela Petrobras. O órgão argumentou, entre outros pontos, que era necessária a realização de estudos de caráter estratégico na bacia da foz do Amazonas.

O Ministério de Minas e Energia discordou da avaliação e pediu então o parecer técnico da Advocacia-Geral da União (AGU). No final de agosto, a AGU divulgou parecer técnico favorável a estudos que podem levar à exploração de petróleo na bacia da foz do rio Amazonas. O assunto segue sem conclusão.

Diversos ambientalistas criticam a possibilidade de explorar petróleo perto da Amazônia. Eles alertam que a decisão de abrir novos poços, além de estimular o uso de um combustível fóssil e que gera mais poluentes, pode gerar danos para as populações indígenas e estimular indiretamente o desmatamento, pois a indústria do petróleo atrairá mais moradores para a região, o que demandará a ampliação de cidades e de estradas.

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, tem feito ponderações sobre o tema. "Nossos líderes políticos e econômicos estão divididos, uma parte entende a necessidade de proteção e outra parte ainda vê a Amazônia como um depositário de recursos a serem explorados como se fossem infinitos", declarou a ministra, em cerimônia de celebração ao Dia da Amazônia, em 5 de setembro.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Amazônia bate recorde de queimadas em fevereiro
Brasil

Amazônia bate recorde de queimadas em fevereiro

Há 22 horas

Estoques de petróleo nos EUA crescem 3,514 milhões de barris, revela DoE
Economia

Estoques de petróleo nos EUA crescem 3,514 milhões de barris, revela DoE

Há 5 dias

Justiça já condenou 732 por desmatamento de 68 mil 'campos de futebol' na Amazônia
Brasil

Justiça já condenou 732 por desmatamento de 68 mil 'campos de futebol' na Amazônia

Há 6 dias

Petróleo Brent tem leve alta com relativo sangue frio dos investidores à tensão no Mar Vermelho
seloMercados

Petróleo Brent tem leve alta com relativo sangue frio dos investidores à tensão no Mar Vermelho

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais