Mundo

Pais de jovem que matou quatro colegas em escola nos EUA são condenados à prisão

O filho está cumprindo prisão perpétua pelos crimes ocorridos em 2021

Jeniffer e James Crumbley durante julgamento nesta terça

Jeniffer e James Crumbley durante julgamento nesta terça

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de abril de 2024 às 07h16.

Uma juíza de Michigan condenou nesta terça-feira os pais de um adolescente que matou quatro colegas de classe em sua escola de ensino médio a penas de 10 a 15 anos de prisão cada um. Foram os primeiros pais de um atirador de escola que foram considerados responsáveis pelo ataque.

James e Jennifer Crumbley foram condenados cada um por quatro acusações de homicídio não intencional em julgamentos separados, que terminaram em fevereiro e março. O filho, Ethan Crumbley, declarou-se culpado das quatro acusações de homicídio nos assassinatos ocorridos em 2021 na Oxford High School, perto de Detroit. Ethan cumpre prisão perpétua.

"Essas condenações não se referem à má educação dos pais", disse a juíza Cheryl Matthews. "Essas condenações transmitem atos repetidos ou falta de atos que poderiam ter parado um trem desgovernado que se aproximava."

Segundo The Wall Street Journal, os promotores haviam pedido de 10 a 15 anos de prisão para cada um dos pais, mais do que as recomendações de sentença mínima do estado de 43 a 86 meses, citando o que eles chamaram de falta de remorso dos pais e comentários ameaçadores dirigidos ao promotor público feitos por James Crumbley em ligações telefônicas na prisão.

James Crumbley pediu para ser condenado a cumprir pena. Seu advogado disse em um processo que suas ameaças contra o promotor não eram físicas e que ele estava desabafando com seus entes queridos sobre sua situação.

Ambos os pais fizeram declarações na sentença. Jennifer Crumbley tentou corrigir uma fala muito criticada em seu julgamento, na qual ela disse que não faria nada diferente como mãe, mas repetiu sua alegação de que não sabia dos problemas do filho. James Crumbley expressou sua profunda tristeza pelas famílias das vítimas, mas também disse que não sabia o que seu filho estava planejando.

Acompanhe tudo sobre:AssassinatosTiroteios

Mais de Mundo

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Tensão entre Milei e Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, se desdobra em crise diplomática

Mais na Exame