Mundo

Os planos por trás dos pacotes de US$ 6 tri de Biden

Sem considerar riscos de inflação, condução fiscal serve de estratégia contra avanço chinês, diz especialista

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 9 de maio de 2021 às 09h11.

Última atualização em 12 de maio de 2021 às 09h47.

Hoje, Joe Biden completa 112 dias na Casa Branca. Neste período, lançou três pacotes econômicos — de socorro, infraestrutura e empregos — que, juntos, sinalizam gastos extras de US$ 6 trilhões (R$ 32,16 trilhões ou o equivalente a 4,3 vezes o PIB brasileiro do ano passado).

O valor é cinco vezes superior ao pacote de socorro que Barack Obama editou após a crise de 2008. Para muitos, é um sinal de que a maior economia do mundo não leva em conta a austeridade fiscal, o que traz riscos de inflação.

Os pacotes de Biden são amplos. O primeiro, de US$ 1,9 trilhão e já aprovado pelos legisladores, era focado na pandemia e permitiu uma segunda leva de cheques de auxílio emergencial. O segundo, de US$ 2,3 trilhões, é voltado a infraestrutura, tecnologia e transição verde.

O terceiro, de US$ 1,8 trilhão, visa melhorar a rede de proteção social, considerada a mais precária entre as nações ricas, com ampliação da cobertura de saúde, financiamento à educação e licenças a trabalhadores. Ou seja, caso aprovados pelo Congresso, vão além do simples socorro à economia e tentam criar novo papel para o Estado.

— Estamos vivendo uma mudança de paradigma, comparável ao que foi o governo de Franklin Roosevelt, que, em resposta à Grande Depressão, criou o New Deal, com forte influência keynesiana, e ao que ocorreu nos anos 1980, com Ronald Reagan, nos EUA, e Margaret Thatcher na Inglaterra, quando a ideologia neoliberal com forte desregulamentação econômica predominou — explica Carlos Braga, professor da Fundação Dom Cabral e ex-vice-presidente do Conselho de Administração do Banco Mundial.

Estratégia contra a china

Para ele, os pacotes de Biden, mais que simples resposta à pandemia, são uma tentativa de criar uma estratégia contra o avanço chinês, que,
segundo o próprio governo americano, está na dianteira em algumas fronteiras do conhecimento, como na energia limpa.

Braga ressalta que os planos podem ser “desidratados” em um Congresso com maioria frágil de democratas, em que senadores e deputados de regiões “tradicionalmente republicanas” podem torcer o nariz para os projetos.

— Estes pacotes representam uma mudança na maneira como Washington e o G-20 veem os gastos fiscais. Se pensarmos como foi a resposta fiscal à crise de 2008/2009, os pacotes são muito maiores. Esta é a mudança mais significativa em política econômica nos EUA desde os anos 1980, pois traduz uma nova visão do papel do governo na sociedade — afirma Josh Lipsky, diretor do GeoEconomics Center do Atlantic Council.

Lipsky lembra que o próprio FMI determinou aumento dos gastos:

— Algo como gaste o quanto quiser, mas guarde os recibos.

Para ele, contudo, isso não vai significar, necessariamente, impacto negativo nas contas públicas: é uma proposta consistente de aumento de tributos, que sequer pode ser considerada radical.

Ao propor elevar os impostos corporativos e para quem ganha mais de US$ 400 mil anuais (R$ 2,144 milhões), os tributos retornarão ao nível que estavam no governo de George W. Bush, um republicano, e ainda serão 40% menores que as taxas recordes dos EUA.

Mesmo assim, está claro que a alta de impostos não vai absorver todos os gastos, que terão impactos na dívida do país. Mas há demanda por títulos americanos, sem alta de juros, o que significa que as entidades de mercado não veem o aumento das despesas como risco fiscal nos EUA.

Roberto Dumas, professor do Insper, afirma que é possível que o país não viva um descontrole inflacionário mesmo com mais gastos públicos, devido à falta de pressão salarial, pelo grande contingente de desempregados, pelo mundo mais globalizado e pelas novas tecnologias que reduzem custos.

Ele lembra que as despesas seguem um plano que tendem a gerar mais produtividade, o que pode compensar parte deste gasto adicional.

— Há uma diferença enorme entre o que está acontecendo agora e a década de 1970 — disse ele, lembrando que, naquela época, o Fed (o Banco Central americano) não era independente, e o então presidente Richard Nixon evitou elevar os juros a fim de se reeleger. — As perspectivas inflacionárias seguem controladas, se olharmos as expectativas do mercado nos títulos americanos de dez anos.

Aqui é diferente

Isso significa que todos os países podem adotar políticas expansionistas? Para Otaviano Canuto, diretor do Center for Macroeconomics and Development em Washington, ex-vice-presidente do BID e ex-diretor executivo do Banco Mundial e do FMI, não. Isso não se aplica a países com problemas fiscais e de credibilidade, como o Brasil.

— As ideias têm seu lugar. Quando elas viajam, mudam completamente seu sentido — disse ele.

Além do fato de o Brasil não emitir dólar e ter um histórico de calote, a qualidade do gasto faz diferença:

— Nos EUA, há uma previsão de investimentos estratégicos de longo prazo, enquanto a qualidade do nosso gasto público é muito pior. Temos um problema crônico de baixa qualidade do gasto público. Então, não basta apenas pensar em aumentar esse gasto. Não é possível um Orçamento em que mais de 90% dos gastos são com salários e pensões.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)EXAME-no-InstagramGoverno BidenJoe Biden

Mais de Mundo

Com redução de neve no Himalaia, 25% da população global pode enfrentar escassez de água em 2024

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Empresas chinesas focam em aumentar vendas com patrocínio na Olimpíada de Paris

Vendas no varejo de bens de consumo social aumentam 3,7% na China

Mais na Exame