Mundo

Onze toneladas de lixo — e um esqueleto — são removidos do Himalaia

Exército nepalês trabalhou nas últimas semanas para retirar lixo dos picos do Monte Everest

Lixo tem virado um problema na região. Excesso de alpinistas é um dos motivos para a quantidade de lixo. (MaRabelo/Getty Images)

Lixo tem virado um problema na região. Excesso de alpinistas é um dos motivos para a quantidade de lixo. (MaRabelo/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 7 de junho de 2024 às 11h25.

O exército nepalês afirmou ter removido onze toneladas de lixo, quatro corpos e um esqueleto do Monte Everest e de outros dois picos do Himalaia este ano. As tropas levaram 55 dias para recuperar o lixo e os corpos das montanhas Everest, Nuptse e Lhotse, de acordo com a BBC.

Estima-se que mais de cinquenta toneladas de lixo e mais de 200 corpos cubram o Everest. O exército iniciou uma limpeza anual da montanha em 2019, devido a preocupações com a superlotação e alpinistas enfrentando condições perigosas para chegar ao cume. Nos últimos cinco anos, as limpezas resultaram na coleta de 119 toneladas de lixo, 14 corpos humanos e alguns esqueletos.

Este ano, as autoridades buscaram reduzir o lixo e melhorar os resgates, obrigando os alpinistas a usar dispositivos de rastreamento e a trazer de volta seus próprios dejetos. No futuro, o governo planeja criar uma equipe de guardas montanheses para monitorar o lixo e investir mais na sua coleta, disse Rakesh Gurung, diretor de montanhismo do Departamento de Turismo do Nepal, à BBC.

Na temporada de escalada da primavera, que terminou em maio, o governo emitiu permissões para 421 alpinistas, uma queda em relação ao recorde de 478 no ano passado. Esses números não incluem os guias nepaleses. No total, estima-se que 600 pessoas escalaram a montanha este ano. Este ano, oito alpinistas morreram ou desapareceram, em comparação com 19 no ano passado.

Desaparecidos em maio

Um britânico, Daniel Paterson, e seu guia nepalês, Pastenji Sherpa, estão entre os desaparecidos após serem atingidos por uma queda de gelo em 21 de maio. A família de Paterson iniciou uma campanha de arrecadação de fundos para contratar uma equipe de busca, mas afirmou em uma atualização em 4 de junho que a recuperação "não é possível neste momento" devido à localização e ao perigo da operação.

Gurung afirmou que o número de permissões foi menor este ano devido à situação econômica global, à emissão de permissões pela China e à eleição nacional na Índia, que reduziu o número de alpinistas desse país. O número de permissões para escalar provavelmente diminuirá mais após a Suprema Corte do Nepal ordenar em maio que o governo limite a quantidade de pessoas. A ordem preliminar não definiu um número máximo.

Acompanhe tudo sobre:NepalAlpinismo

Mais de Mundo

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Ministro alemão diz que tarifas da UE a carros elétricos chineses não são punitivas

Dez freiras espanholas foram excomungadas pelo Vaticano; entenda

Mulheres israelenses correm para comprar armas depois de 7 de outubro

Mais na Exame