Mundo

ONU obtém US$ 2 bi em doações para ajudar o Iêmen

Representante da ONU afirmou que mais países farão doações até o final do ano e que o Iêmen vive a pior crise humanitária no mundo

Iêmen: desde a intervenção saudita em 2015, cerca de 10 mil iemenitas morreram (REUTERS/Khaled Abdullah/Reuters)

Iêmen: desde a intervenção saudita em 2015, cerca de 10 mil iemenitas morreram (REUTERS/Khaled Abdullah/Reuters)

A

AFP

Publicado em 3 de abril de 2018 às 11h34.

Última atualização em 3 de abril de 2018 às 11h40.

A Organização das Nações Unidas (ONU) obteve, nesta terça-feira (3), "mais de US$ 2 bilhões" de promessas de ajuda do total dos US$ 3 bilhões pedidos para socorrer o Iêmen, um país devastado pela guerra.

Este é um "êxito extraordinário para a solidariedade internacional com o Iêmen", disse em uma breve entrevista coletiva o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que foi a Genebra para essa reunião.

"Foram anunciados mais de US$ 2 bilhões", celebrou.

"Muitos países já anunciaram que haverá mais doações até o fim do ano", antecipou.

"O Iêmen vive, na atualidade, a pior crise humanitária no mundo", declarou mais cedo o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, ao falar em Genebra sobre a situação "catastrófica" nesse país.

Guterres explicou que, para este ano, a ONU precisa de 2,960 bilhões de dólares para implementar os programas de urgência nesse país, porque "nós podemos e devemos evitar que isso se transforme em uma tragédia a longo prazo".

No ano passado, o pedido de fundos para o Iêmen foi de 2,5 bilhões de dólares, e as doações alcançaram 73% dessa quantia. As necessidades aumentaram ainda mais, porém, nesse país arrasado pela guerra e que enfrenta, desde 2015, uma coalizão dirigida pela Arábia Saudita contra os huthis. Estes últimos contam com o apoio do Irã e controlam a capital.

Segundo a ONU, 8,4 milhões de pessoas estão à beira da fome no Iêmen, país onde a população depende, em grande parte, de alimentos importados.

Em 2017, a Arábia Saudita e seus aliados bloquearam os acessos ao país por ar, terra e mar, depois de uma tentativa de ataque de mísseis por parte dos huthis. Os artefatos foram interceptados pouco antes de atingirem Riad. O bloqueio acabou sendo suavizado, mas ainda persistem as restrições em relação à distribuição.

"É importante que as organizações humanitárias possam chegar às pessoas que mais necessitam de ajuda, sem condições", declarou o chefe da ONU.

"As portas devem permanecer abertas aos carregamentos humanitários e comerciais de alimentos, medicamentos e combustível".

Cerca de 10.000 iemenitas morreram, e 53.000 ficaram feridos desde o início da intervenção saudita nesse território.

 

Acompanhe tudo sobre:DoaçõesIêmenONU

Mais de Mundo

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Pequeno município no leste da China desenvolve indústria panificadora bilionária

Após escândalo com PwC na China, KPMG e EY assumem auditorias no país

Biden viaja a Los Angeles para evento de arrecadação de fundos com celebridades

Mais na Exame