Ciência

Agroecologia é essencial para futuro da humanidade, diz FAO

É necessário promover mudança transformadora na forma de produzir e consumir alimentos, segundo diretor-geral instituição

Agricultura intensiva: especialistas defendem que uso de máquinas e produtos químicos devem dar lugar a práticas sustentáveis (Arquivo/Agência Brasil)

Agricultura intensiva: especialistas defendem que uso de máquinas e produtos químicos devem dar lugar a práticas sustentáveis (Arquivo/Agência Brasil)

A

AFP

Publicado em 3 de abril de 2018 às 18h18.

A "agroecologia", ou seja, o desenvolvimento agrícola ecológico e sustentável, é considerada essencial para o futuro da humanidade, que deve preservar o planeta e ao mesmo tempo garantir alimentos saudáveis para todos, segundo especialistas convocados esta semana em Roma pela FAO.

"Necessitamos promover uma mudança transformadora na forma como produzimos e consumimos alimentos", assegurou nesta terça-feira o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, na abertura do segundo simpósio internacional sobre agroecologia em Roma.

"Precisamos promover sistemas alimentares sustentáveis que ofereçam alimentos saudáveis e nutritivos, e também preservar o meio ambiente", acrescentou.

O evento reúne até 5 de abril cerca de 400 especialistas em agroecologia, acadêmicos e representantes governamentais, da sociedade civil e organismos da ONU, para discutir sobre as políticas e iniciativas para aumentar esse novo conceito de produção agrícola.

"A estratégia de aumentar a produção a qualquer preço não foi suficiente para erradicar a fome, e além disso assistimos a uma epidemia global de obesidade", afirmou Da Silva.

A tendência, sobretudo em algumas regiões do mundo, a aplicar conceitos ecológicos à produção agrícola se tornou um exemplo a seguir, já que oferece soluções viáveis e segundo cada caso.

Abandonar a agricultura intensiva

Para os especialistas é preciso abandonar a ideia de que a produção de alimentos deve ser intensiva, com maquinaria e produtos químicos, e passar a uma agricultura sustentável, para o qual a informação e o conhecimento são fundamentais.

"Transformar nossos sistemas alimentares para que sejam sustentáveis significa realizar mudanças tanto econômicas, como sociais e culturais", advertiu Gilbert Houngbo, presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), o chamado "banco" das Nações Unidas para a agricultura, que apoia esse novo modelo de produção diversificada.

Entre os exemplos citados pelos especialistas está o dos camponeses chineses que utilizam folhas de morus alba para alimentar bichos-da-seda cujos resíduos corporais são usados, por sua vez, para os peixes.

"Estamos em um momento decisivo na história da humanidade e depende de nós tomar decisões que serão essenciais para nosso futuro coletivo", afirmou Stéphane Le Foll, ex-ministro francês da Agricultura, ao convocar uma "revolução duplamente verde", agrícola e ecológica.

Para isso é necessário implementar um diálogo mundial, que impulsione o conhecimento e a inovação em setores-chave.

"Investir em conhecimento e inovação é essencial para aproveitar o potencial da agroecologia", disseram os especialistas que esperam com isso abrir o caminho para um desenvolvimento sustentável, que proteja a biodiversidade, contribua para frear as mudanças climáticas e além disso produza alimentos saudáveis que combatem a fome e a desnutrição.

Uma exposição na sede da FAO ilustra as maiores inovações feitas no setor da agroecologia no mundo todo.

Entre elas, a criação de uma plataforma on-line para compartilhar informações ecológicas assim como a produção proveniente de campos agrícolas africanos a cargo de mulheres sem uso de herbicidas.

Cerca de 30 países, entre eles a maioria dos países da América Latina, junto com Coreia do Sul, China, Costa do Marfim assim como Áustria, Alemanha, Dinamarca, França, Suíça e Itália, já adotaram um marco legislativo ou uma série de regulamentos para facilitar o desenvolvimento da agroecologia.

"Há muito por fazer" para convencer a maioria dos agricultores convencionais de que o sistema é viável e rentável, comentou Le Foll.

"Algo está mudando, devemos continuar a batalha", afirmou.

Acompanhe tudo sobre:AgriculturaAlimentaçãoONUSustentabilidade

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame