Mundo

Peregrinação na Europa: após Putin, chefe da ONU encontra Zelensky

O secretário-geral da ONU, António Guterres, visita o presidente Volodymyr Zelensky em Kiev. Guerra na Ucrânia já supera dois meses sem sinais de um acordo

Guterres: ONU vinha sendo criticada por apagamento em meio à guerra (Yves Herman - WPA Pool/Getty Images/Getty Images)

Guterres: ONU vinha sendo criticada por apagamento em meio à guerra (Yves Herman - WPA Pool/Getty Images/Getty Images)

CR

Carolina Riveira

Publicado em 28 de abril de 2022 às 06h00.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A passagem do diretor-geral das Nações Unidas (ONU) pelo leste europeu continua nesta quinta-feira, 28. O português António Guterres se encontra hoje com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, com o objetivo de negociar corredores humanitários em meio à guerra no país e avançar nas quase paralisadas negociações de paz com a Rússia.

A visita acontece menos de dois depois de Guterres se encontrar em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, e com o número um da diplomacia do país, o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

O diretor da ONU chegou ainda no começo de quarta-feira, 27 à Ucrânia, por meio da fronteira terrestre com a Polônia, no oeste do país. Ele viajou de carro até a capital Kiev, escoltado por seguranças, segundo reporta a agência EFE.

Guterres, aliás, diz que a ordem das visitas (primeiro em Moscou, depois em Kiev) foi uma "questão logística", porque a resposta da Rússia sobre a visita teria chegado primeiro. Mas a dinâmica não foi do agrado do governo ucraniano, com críticas públicas de Zelensky.

VEJA TAMBÉM

Além de se encontrar com membros do governo ucraniano, a ONU informou que Guterres se reunirá com oficiais da organização que estão atuando em solo na Ucrânia, para discutir como "otimizar a assistência humanitária".

A ONU tem afirmado que não vem sendo capaz de alcançar áreas na frente de batalha ucraniana, como Mariupol (ao sul) e Kharkiv (leste), e pede que a Rússia concorde com a abertura de corredores humanitários.

Críticas à ONU

Um cessar-fogo nas áreas mais afetadas para evacuação de civis e a entrada de ajuda humanitária nesses locais é um dos principais objetivos que a ONU espera alcançar nas visitas de Guterres.

No entanto, tentativas anteriores de trégua falharam sistematicamente, sobretudo em Mariupol, com ambos os lados acusando o outro de boicotar o cessar-fogo.

A ONU também vinha sendo criticada por seu relativo apagamento diplomático em meio à guerra. As negociações até o momento foram sobretudo intermediadas por outros países, da França à Turquia.

A organização, por sua vez, enfrenta desafios internos diante da participação da Rússia com poder de veto no Conselho de Segurança, o que impede ações mais amplas.

Negociações de paz

A guerra na Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro, já supera dois meses sem sinais de um acordo.

As negociações de paz estão, na prática, travadas há semanas. O último avanço significativo ocorreu em 29 de março, quando as partes se reuniram na Turquia.

A Rússia saiu de lá prometendo parar os ataques no norte da Ucrânia, nos arredores de Kiev. Essa já era a região que as tropas de Moscou tinham mais dificuldade em conquistar.

Em meio às narrativas de ambos os lados da guerra, é difícil precisar se a Rússia desistiu mesmo do norte ucraniano ou se foi expulsa de lá — ou ambos.

Mas o fato é que abril marcou o início do que Moscou chamou de uma nova fase do conflito, com as tropas direcionadas para o leste, perto da fronteira com a Rússia e onde estão os territórios separatistas de Donetsk e Luhansk. É onde a guerra tem se concentrado neste momento.

Também há ataques no sul, no trajeto que liga o leste à Crimeia, área anexada em 2014. Perto da região está a estratégica cidade portuária de Mariupol, sitiada desde o começo da guerra e de onde milhares de civis ainda não conseguiram sair.

Acompanhe tudo sobre:Exame HojeGuerrasONUUcrâniaVladimir Putin

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame