Acompanhe:

O plenário fantasma da Câmara Municipal do Rio

Em 2011, 70 das 93 sessões caíram por falta de quorum. O presidente raramente aparece. "A câmara está se apequenando”, afirma Paulo Pinheiro, do PSOL

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

C
Cecília Ritto

Publicado em 11 de dezembro de 2011 às, 08h29.

Rio de Janeiro - O relógio marca 16 horas. É o sinal para que o plenário vazio comece a encher, com a chegada dos ocupantes das 51 cadeiras da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Mas quase nada acontece. Na última quarta-feira, na abertura da sessão no Palácio Pedro Ernesto, só sete vereadores deram o ar da graça – apesar de o painel marcar 26 presenças. A partir daí, o triste e enfadonho roteiro do plenário do Legislativo municipal do Rio é conhecido. O ritual começa com o pedido, pela oposição, para verificação nominal dos políticos. Depois da contagem vem a confirmação de que não há quorum para deliberar. A tragédia da democracia acontece em série: em 2011, de março até o dia 23 de novembro, das 93 sessões plenárias, 70 caíram por falta do número necessário de vereadores; 11 não chegaram a abrir; e em apenas 12 os políticos cumpriram o seu papel. O levantamento foi feito pelo gabinete da vereadora Teresa Bergher, do PSDB, a partir do Diário da Câmara Municipal.

A sessão abre às 14h com sete assinaturas. Normalmente, três vereadores se inscrevem para falar. Na ausência de plateia, já estão acostumados a discursar apenas para a TV Câmara. Às 16h, a sessão é reaberta com 17 assinaturas. Quando é feita a contagem de presenças, a casa, que tem 51 vereadores, costuma não cumprir o mínimo exigido. E, como quase uma regra, perde-se mais um dia de plenário. “Há mais de 300 projetos de leis por serem votados”, afirma Teresa.

A desculpa da quarta-feira era uma reunião para discutir a cobrança do acréscimo de gabarito para as varandas que são cobertas nos prédios do Rio. A presença de integrantes da Secretaria de Urbanismo, do Sindicato de Engenheiros, da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio (Ademi-RJ) e de associações de moradores foi um prato cheio para que os vereadores não gastassem a sola de seus sapatos no trajeto da sala onde ocorria o encontro até o plenário da casa. Uma tentativa chegou a ser feita: a sessão foi prorrogada para que houvesse tempo de os vereadores chegarem. Às 16h40, no entanto, confirmou-se o cenário de sempre.

O próprio presidente da Câmara, Jorge Felippe, do PMDB, não compareceu. Uma hora e meia antes de o segundo expediente começar, à 16h, Felippe já havia dito ao site de VEJA que a sessão de quarta cairia. A explicação era a maior importância da reunião. E é essa mesma explicação que o peemedebista usa para a ausência em massa das sessões. “Estamos preocupados em boas leis e não em muitas leis”, argumenta, tentando justificar o injustificável: os debates públicos, as sessões previstas no regimento da casa, não acontecem.


Há exceções no descaso dos parlamentares. A Casa fica cheia quando é hora de votar o que vem do Executivo. É o bloco do “unidos votaremos”, que garante ao prefeito Eduardo Paes uma situação folgada para todo tipo de proposta. A oposição, atualmente, ocupa apenas seis cadeiras – o que permite, por exemplo, que Paes altere, se assim quiser, a Lei Orgânica do Município.

Além de propor, elaborar, discutir e aprovar leis, a Câmara Municipal é a responsável por fiscalizar os gastos e a atuação do prefeito. Pelo menos é assim que deveria funcionar a Casa. Mas a maioria absoluta – ou avassaladora – da base de apoio do Executivo criou uma calmaria preocupante. “O vereador não é despachante de luxo. Mas aqui na casa o vereador de opinião está morrendo. A casa se caracteriza hoje por atender o governo. A câmara está se apequenando”, afirma Paulo Pinheiro, do PSOL.

Ulisses Guimarães já dizia que uma nova legislatura é sempre pior que a anterior. A oposição da Câmara Municipal do Rio acredita nessa máxima. A situação, não. “Ainda bem que isso não se profetizou em nossa Câmara. Essa legislatura foi uma das mais profícuas”, afirma Felippe. De 2009 a 2011, no entanto, os vereadores foram mais lembrados pelo que não fizeram do que pelo fizeram. No começo deste ano, a casa gastou 3,5 milhões de reais empregados para comprar automóveis de luxo. Os vereadores escolheram o modelo Jetta, que custa 70 mil reais. Com a pressão dos eleitores, acabaram voltando atrás depois de terem a imagem arranhada. Também em 2011 o vereador Deco, que usava o seu gabinete como uma espécie de escritório para cuidar dos negócios da milícia que comandava, foi preso.

Os últimos três anos não foram dos melhores para a imagem da casa. Na legislatura anterior, a situação não era tão confortável para o Executivo. Cesar Maia, ex-prefeito do Rio pelo DEM, lembra que, em sua gestão, os vereadores foram mais independentes. E, em eco com a bancada oposicionista, Maia, que planeja disputar uma vaga na Câmara nas eleições de 2012, critica a política à base do trator. “Quando ouvi palestras de ‘politólogos’, eles sempre repetiam que a independência do legislativo e até o seu funcionamento em maioria de oposição são garantias de estabilidade política”, diz. “Ocorre que a representação comunitária gera demanda dos vereadores sobre os prefeitos. Quando os prefeitos usam isso para impor um rolo compressor, conseguem. Nunca foi meu estilo”, diz Maia.


É claro que, para um alcaide, ter maioria é garantia de navegar sem problemas. Cesar Maia tinha maioria. Mas sofreu bombardeio a ponto de abortar um de seus projetos: o museu Guggenheim que queria criar na zona portuária, com projeto do renomado arquiteto Jean Novel. O prefeito mudou o curso do projeto e, em vez da franquia internacional, instalou na Barra da Tijuca, na zona oeste, a Cidade da Música. Paes rebatizou o projeto, como Cidade das Artes, e, agora, prepara-se criar, onde ficaria o Guggenheim de Cesar, o Museu do Amanhã – assinado pelo espanhol Santiago Calatrava.

Por causa do tamanho de adesão ao mandato de Paes, Andrea Gouveia Vieira, do PSDB, relata a dificuldade de conseguir votos para fazer frente aos projetos do prefeito. “Não há mais discussão sobre orçamento”, afirma a vereadora que foi da oposição tanto no governo de Maia quanto no de Paes. “Na época de Cesar Maia nós (da oposição) éramos mais do que atualmente. E também exista menos coesão na base da situação. Mas mesmo assim não conseguíamos impedir nada porque o poder de barganha do executivo é muito grande”, argumenta a tucana.

O terceiro ano de uma legislatura, tradicionalmente, é o de maior calmaria. O primeiro quarto dos mandatos costuma ser mais movimentado, com os recém-eleitos tentando mostrar serviço, ocupar espaço, garantir seus quinhões. No segundo a coisa começa a arrefecer e, no terceiro, há estagnação. No quarto ano, é hora de levantar poeira – mas nas ruas, quando começa a campanha para garantir a reeleição.

Na atual legislatura, encolheu a oposição, um vereador foi preso, carros importados foram comprados, o salário aumentou no meio do mandato e o plenário da casa de transformou em um grande vazio. Por enquanto, há poucas razões para acreditar que a partir de 2013 a situação seja muito diferente da de agora. Os vereadores que serão eleitos em 2012, no entanto, têm missões a mais. Serão eles os ocupantes da Casa quando estarão em curso a parte mais cara e volumosa das obras para os Jogos Olímpicos de 2016. A esperança, para o eleitor, é que a Olimpíada dê ânimo à Câmara – ou, pelo menos, que a visibilidade do Rio tire da inércia os escolhidos do povo.

Últimas Notícias

Ver mais
Eleições 2024: Ricardo Nunes, prefeito de SP e pré-candidato, é entrevistado da Exame nesta segunda
Brasil

Eleições 2024: Ricardo Nunes, prefeito de SP e pré-candidato, é entrevistado da Exame nesta segunda

Há 17 horas

Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado
Brasil

Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado

Há um dia

Março tem feriado? Confira as datas comemorativas e feriados do mês em 2024
Pop

Março tem feriado? Confira as datas comemorativas e feriados do mês em 2024

Há 2 dias

Em preparação para cúpula do G20, prefeito do Rio fala sobre investimento em infraestrutura
Um conteúdo Bússola

Em preparação para cúpula do G20, prefeito do Rio fala sobre investimento em infraestrutura

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais