Mundo

Nascimentos nos EUA caem para nível mais baixo desde 1979

Levantamento apontou que mulheres na faixa etária dos 30 e 40 anos são as que têm mais filhos no país

Publicado em 25 de abril de 2024 às 07h41.

Última atualização em 25 de abril de 2024 às 07h57.

As taxas de nascimentos nos Estados Unidos diminuíram em 2023 e atingiram seu nível mais baixo em mais de 40 anos. Os números caíram 2% e bateram os 3,59 milhões, de acordo com informações do Centro Nacional de Estatística em Saúde dos Estados Unidos.

A última vez em que dados semelhantes foram registrados foi em 1979, quando cerca de 3,4 milhões de bebês norte-americanos nasceram.

Segundo Brady Hamilton, autor principal do levantamento, a taxa de mulheres em idade reprodutiva que estão tendo filhos é a mais baixa desde que o centro começou a compilar estatísticas. No ano passado, a quantidade de filhos por mulher caiu para 1,6, a menor já registrada.

O número de nascimentos havia crescido entre 2020 e 2022, anos de pandemia. Agora, porém, os nascimentos parecem estar em queda novamente, retomando tendências observadas entre 2019 e 2020, por exemplo, quando caíram 4%.

Em 2022, cerca de 3,66 milhões de bebês nasceram nos Estados Unidos, número parecido com o registrado em 2021 e 15% abaixo do pico de 2007. De acordo com dados divulgados pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), observou-se uma estagnação na quantidade de nascimentos no país em comparação com o ano anterior.

Agora, porém, a tendência é de queda, e não estagnação.

O estudo apontou ainda que as maiores taxas de nascimento foram registradas entre mulheres da faixa etária de 30 e 40 anos. Além disso, mulheres hispânicas apresentaram um ganho de 1% no número de nascimentos, representando um ponto fora da curva.

Acompanhe tudo sobre:ComportamentoEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Pequeno município no leste da China desenvolve indústria panificadora bilionária

Após escândalo com PwC na China, KPMG e EY assumem auditorias no país

Biden viaja a Los Angeles para evento de arrecadação de fundos com celebridades

Mais na Exame