Mundo

Mulheres sem véu tentam se parecer com 'animais', dizem talibãs no Afeganistão

"Colocamos esses cartazes e as famílias das mulheres que não estão cobertas serão informadas e as medidas correspondentes serão tomadas", disse um representante do governo

Um pôster pedindo às mulheres que usem lenços nas ruas de Kandahar, Afeganistão: repressão às mulheres no país (AFP/AFP)

Um pôster pedindo às mulheres que usem lenços nas ruas de Kandahar, Afeganistão: repressão às mulheres no país (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 16 de junho de 2022 às 15h36.

A polícia religiosa do Talibã na cidade afegã de Kandahar colocou placas de rua dizendo que as mulheres muçulmanas que não usam véu que cobrem o rosto estão "tentando se parecer com animais", confirmou uma autoridade nesta quinta-feira, 16.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desde que chegou ao poder em agosto, o Talibã impôs severas restrições às mulheres afegãs, corroendo os ganhos obtidos nas duas décadas desde que os Estados Unidos invadiram o país e derrubaram o governo anterior do grupo islâmico.

Em maio, o líder supremo do Talibã, Hibatullah Akhundzada, aprovou um decreto afirmando que é melhor que as mulheres fiquem em casa. Então, ele emitiu uma ordem para que as mulheres cobrissem completamente seus corpos e rostos em público.

VEJA TAMBÉM: Após fuga do Talebã, afegãos tentam reinício na Europa

Esta semana, o Ministério para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, encarregado de fazer valer a interpretação estrita do Islã que o grupo defende, colocou cartazes nas ruas de Kandahar com imagens de mulheres vestindo burcas, roupas que cobrem o corpo da cabeça aos pés.

"Mulheres muçulmanas que não usam o hijab estão tentando parecer animais", alertam os cartazes sobre o uso do véu facial completo. O cartaz adverte que usar shorts, roupas apertadas ou roupas transparentes também é contra os decretos de Akhundzada. Um alto funcionário local confirmou a exibição dos cartazes.

"Colocamos esses cartazes e as famílias das mulheres que não estão cobertas serão informadas e as medidas correspondentes serão tomadas com o decreto", disse à AFP Abdul Rahman Tayebi, representante local do ministério em Kandahar.

VEJA TAMBÉM: Humoristas usam a internet como local de resistência ao Talibã

O decreto de Akhundzada ordena que as autoridades avisem ou suspendam de seus empregos funcionários que sejam parentes de mulheres que não cumpram os regulamentos.

Na quarta-feira, a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, criticou o Talibã por sua "opressão sistemática e institucionalizada" das mulheres.

Acompanhe tudo sobre:AfeganistãoMulheresTalibã

Mais de Mundo

Putin vai ao Vietnã tentar fortalecer aliança histórica focada em armas – e agora no petróleo

Por que Putin gosta de viajar em aviões russos antigos?

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Líder do Hezbollah diz que 'nenhum lugar' de Israel estará a salvo em caso de guerra

Mais na Exame