Mundo

Ministro de Israel solicita sanções contra o Irã a 32 países

Dentre os países aos quais a solicitação política foi direcionada estão os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Japão, Canadá, França, Itália, Índia e Austrália

O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que seu país responderia "severamente" à "menor ação" de Israel contra "os interesses do Irã" (AFP/AFP)

O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que seu país responderia "severamente" à "menor ação" de Israel contra "os interesses do Irã" (AFP/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de abril de 2024 às 12h09.

O ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou ter enviado cartas para 32 países solicitando sanções ao projeto de mísseis iranianos e para que o Corpo da Guarda Revolucionária seja declarado como uma organização terrorista por outros países. Pedido feito nesta terça-feira, 16, faz parte de uma "ofensiva diplomática" contra o Irã a fim de enfraquecer o país, segundo o ministro.

"O Irã deve ser parado agora, antes que seja tarde demais", disse Katz, em anúncio que ressaltou a resposta militar aos mísseis iranianos direcionados ao país no fim de semana.

Dentre os países aos quais a solicitação política foi direcionada estão os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Japão, Canadá, França, Itália, Índia e Austrália.

Irã x Israel

O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que seu país responderia "severamente" à "menor ação" de Israel contra "os interesses do Irã", de acordo com uma declaração emitida por seu gabinete na terça-feira.

"Agora, declaramos firmemente que a menor ação contra os interesses do Irã provocará uma resposta severa, extensa e dolorosa contra todos os seus perpetradores", disse Raisi durante uma conversa telefônica com o emir do Qatar, Tamim ben Hamad Al Thani, na noite de segunda-feira.

Referindo-se ao ataque do fim de semana, o primeiro a partir do território iraniano contra Israel, Raisi disse que Teerã exerceu "seu direito de autodefesa".

O ataque do Irã no sábado foi, segundo Teerã, uma resposta ao assassinato por Israel de um general iraniano sênior em um edifício diplomático iraniano em Damasco, Síria. Israel não confirmou nem negou o envolvimento.

O chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel, tenente-general Herzi Halevi, deu a confirmação na segunda-feira 15, mais clara até agora de um contra-ataque ao Irã, apesar da pressão internacional por contenção. Ele não deixou claro, no entanto, qual a forma essa resposta assumirá.

Acompanhe tudo sobre:Conflito árabe-israelenseIsraelIrã - País

Mais de Mundo

Procurador do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Netanyahu e líder do Hamas

Vice-presidente Lai assume a presidência de Taiwan e pede o fim da 'intimidação" chinesa

Presidente Luis Abinader declara vitória em eleição da República Dominicana

A nova variante da covid-19 que vem preocupando os americanos

Mais na Exame