Mundo

Milhares marcham na Argentina por Dia do Trabalhador e contra reforma trabalhista de Milei

Proposta do governo foi aprovada na Câmara, mas precisa de vitória no Senado, onde o líder de direita não tem maioria

 (AFP/AFP Photo)

(AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 1 de maio de 2024 às 18h45.

Última atualização em 1 de maio de 2024 às 19h03.

Milhares de pessoas, independentes e afiliadas a sindicatos, manifestaram-se nesta quarta-feira, 1, na Argentina pelo Dia do Trabalhador e contra a reforma trabalhista promovida pelo governo de Javier Milei

"Nós nos vemos obrigados a repudiar uma reforma trabalhista que retrocede os direitos dos trabalhadores, por isso este se torna um dia de luta e protesto", disse à AFP Maia Volcovinsky, membro da diretoria da Confederação Geral do Trabalho (CGT).

A reforma trabalhista do Executivo estende o período de experiência para novos funcionários de três para seis meses e até um ano; impõe multas para empresas com trabalhadores não registrados para incentivar sua formalização e propõe a implementação de um fundo para substituir o atual sistema de indenização.

Embora já tenha sido aprovado na Câmara dos Deputados, para que seja totalmente implementado, precisa ser aprovado no Senado argentino, onde o partido governista tem apenas sete dos 72 senadores.

A CGT emitiu um comunicado no qual reivindicou a data e repudiou as medidas tomadas pelo governo de Milei.

"Quando todos os direitos sociais, trabalhistas, sindicais e previdenciários são ameaçados, é um dia de reivindicação e defesa das conquistas e dos direitos adquiridos que se pretende violar", afirmou a CGT no comunicado.

Grupos sindicais e políticos realizaram eventos em todo o país, embora o principal tenha sido no centro de Buenos Aires, com milhares de pessoas carregando faixas sindicais no centro da cidade.

"Estamos em um governo que não entende os trabalhadores, sua luta e a defesa dos sindicatos para os trabalhadores. Portanto, teremos dias e momentos difíceis se esse governo não mudar sua atitude em relação aos trabalhadores", disse Rubén Aguiar, padeiro e líder sindical, à AFP.

Houve espaço para alguns momentos curiosos, como o de uma mulher que cantou um tango em homenagem a Eva Perón de sua janela aberta para a rua.

"Ter tantos companheiros aqui me enche de emoção, peço a Deus que me dê forças para finalmente ver este país libertado daqueles que são inimigos dos trabalhadores", disse a mulher ao canal de notícias C5N.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaJavier Milei

Mais de Mundo

Lula e Putin conversam sobre Ucrânia por telefone

Lula se reunirá com Papa Francisco, Macron, Modi e von der Leyen no G7, na Itália

Avião com vice-presidente do Malauí e outras nove pessoas desaparece

Os países com maiores taxas de homicídio, segundo a ONU

Mais na Exame