Acompanhe:

Malásia faz parceria para retomar busca de avião desaparecido

Acordo com a empresa americana Ocean Infinity só terá custo para o governo malaio caso seja concluída com sucesso

Modo escuro

Continua após a publicidade
Buscas pelo avião do voo MH370 (Greg Wood/AFP/AFP)

Buscas pelo avião do voo MH370 (Greg Wood/AFP/AFP)

E
EFE

Publicado em 6 de janeiro de 2018 às, 09h43.

Última atualização em 6 de janeiro de 2018 às, 09h44.

Bangcoc - O governo da Malásia fez um acordo com a empresa americana Ocean Infinity para retomar as buscas no oceano Índico do avião da Malaysia Airlines desaparecido em março de 2014 com 239 pessoas a bordo, informaram neste sábado fontes oficiais.

O ministro de Transportes da Malásia, Liow Tiong Lai, confirmou que, com base no que foi pactuado, a operação só terá um custo econômico para o governo se for concluída com sucesso.

A assinatura do contrato será formalizada na próxima semana, adiantou o representante do governo em declarações aos veículos de imprensa.

Previamente, a agência "Bernama" havia publicado que os representantes governamentais avaliam pagar uma recompensa de US$ 20 milhões a US$ 70 milhões caso o avião seja localizado.

Mark Antelme, porta-voz da Ocean infinity, apontou na quarta-feira à Agência Efe que esperam "a retomada das buscas do MH370 nos próximos dias".

O barco Seabed Construtor, da companhia americana, partiu da África do Sul na última terça-feira com rumo à Austrália, onde deve chegar no início de fevereiro, "para economizar tempo diante da iminente assinatura do contrato", informou Antelme por e-mail.

O avião malaio desapareceu 40 minutos após decolar de Kuala Lumpur rumo a Pequim, e depois que alguém desligou os sistemas de comunicação e desviou a rota da aeronave de maneira intencional, segundo a investigação oficial.

Em janeiro deste ano, as autoridades da Malásia, da Austrália e da China deram como encerradas as buscas no leito marítimo após completarem sem sucesso o rastreamento, durante meses, de cerca de 120 mil quilômetros quadrados do oceano Índico determinados pelos especialistas, em uma operação que custou US$ 135 milhões.

Meses depois, investigadores australianos da agência governamental CSIRO apontaram com maior precisão o local onde pode ter caído a aeronave, uma área de até 25 mil quilômetros quadrados.

A Ocean Infinity afirma contar uma frota comercial com a tecnologia mais avançada do mundo para explorar o fundo do mar e realizar um mapeamento preciso até 6 mil metros de profundidade, com até seis veículos autônomos. EFE

Últimas Notícias

Ver mais
'Trump violou a Constituição', afirma republicana de 91 anos que busca inabilitá-lo
Mundo

'Trump violou a Constituição', afirma republicana de 91 anos que busca inabilitá-lo

Há 4 horas

Líderes internacionais evitam comentar crise entre Brasil e Israel
Mundo

Líderes internacionais evitam comentar crise entre Brasil e Israel

Há 5 horas

Israel ataca comboio humanitário em Gaza após rota ter sido autorizada pelo Exército, revela ONU
Mundo

Israel ataca comboio humanitário em Gaza após rota ter sido autorizada pelo Exército, revela ONU

Há 5 horas

Torre Eiffel amanhece fechada pelo terceiro dia consecutivo; turistas saem frustrados
Mundo

Torre Eiffel amanhece fechada pelo terceiro dia consecutivo; turistas saem frustrados

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais