Mundo
Acompanhe:

Liz Truss renuncia ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido

A premiê do Reino Unido, Liz Truss, ficou menos de dois meses no cargo, tendo assumido após a queda de Boris Johnson

Truss: premiê foi eleita pelos filiados do Partido Conservador em setembro, após renúncia de Boris Johnson (Anna Moneymaker/Getty Images)

Truss: premiê foi eleita pelos filiados do Partido Conservador em setembro, após renúncia de Boris Johnson (Anna Moneymaker/Getty Images)

D
Da Redação

20 de outubro de 2022, 10h39

Liz Truss renunciou ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido na manhã desta quinta-feira, 20, menos de dois meses após chegar ao poder. Truss, que é do Partido Conservador, assumiu no dia 6 de setembro ao vencer eleições internas da legenda e substituir o então primeiro-ministro Boris Johnson, que renunciou após escândalos.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta

A saída de Truss vem diante da rejeição a um pacote econômico de amplo corte de impostos, que tinha fonte incerta de recursos e gerou instabilidade na economia. Embora tenha sido revertido logo após o anúncio, o plano foi mal recebido nos mercados e entre os membros do próprio partido de Truss.

VEJA TAMBÉM: Biden diz que plano econômico de Liz Truss 'era um erro'

Nos últimos dias, membros de sua equipe econômica também haviam renunciado, e a pressão para que a premiê deixasse o cargo cresceu.

Em discurso nesta manhã, Truss afirmou que já ofereceu a renúncia ao rei Charles III e continuará como premiê até que um novo mandatário seja eleito.

"Assumi o cargo em um momento de grande instabilidade econômica e internacional", disse. "Definimos uma visão para uma economia com impostos baixos e alto crescimento que tiraria vantagem das liberdades do Brexit. Mas reconheço que, dada a situação, não posso cumprir o mandato para o qual fui eleita pelo Partido Conservador."

Liz Truss: premiê foi eleita por votação interna do Partido Conservador, que tem maioria no Parlamento (Dan Kitwood/Getty Images)

A premiê afirmou que um novo nome para líder do Partido Conservador deve ser escolhido já na próxima semana.

Parlamentar desde 2010 e ex-ministra nos governos conservadores, Truss foi eleita na votação interna do Partido Conservador prometendo uma economia com menos impostos e alto crescimento.

Na campanha, se disse inspirada por medidas liberais da ex-premiê britânica Margaret Thatcher (1979-90), que também foi do Partido Conservador. Truss, tal como o antecessor Boris Johnson, é descrita como da ala "linha dura" do partido, tendo sido favorável ao Brexit, saída do Reino Unido da União Europeia, e prometendo políticas mais severas contra imigrantes.

Quem será o novo premiê britânico

O Reino Unido terá agora seu terceiro primeiro ministro em menos de três meses.

Em agosto, o então premiê Boris Johnson, que estava no cargo desde 2019, renunciou em meio a escândalos envolvendo aliados e a insatisfação popular com a presença do governante em festas durante o lockdown na pandemia. A inflação britânica, que é a maior em 40 anos e segue pressionada com a guerra na Ucrânia, também tem ajudado a minar a popularidade dos governos.

VEJA TAMBÉM: Inflação acelera no Reino Unido e alcança 10,1% em setembro, a maior desde 1982

A renúncia de Johnson, na ocasião, levou a eleições internas no Partido Conservador, em que Truss obteve a maioria dos votos entre os filiados e bateu o concorrente, o ex-ministro das Finanças Rishi Sunak.

Sunak e Truss durante debate na campanha: Partido Conservador terá de escolher internamente novo premiê (Jonathan Hordle / ITV/Getty Images)

Agora, novamente com a renúncia de Truss, cabe ao Partido Conservador promover nova disputa interna para escolher o próximo ou próxima premiê. 

Como o Partido Conservador tem maioria no Parlamento, o nome escolhido internamente para liderar o partido no lugar de Truss se torna automaticamente o primeiro-ministro.

Pela fala de Truss, que prometeu um novo premiê já na próxima semana, a expectativa é que o alto escalão do partido consiga unanimidade em torno de algum nome sem que ocorram novas eleições, que podem levar mais de um mês e envolver milhares de filiados em todo o país. Porém, a legenda terá o desafio de garantir apoio ao escolhido, diante da insatisfação popular com o governo.

Como funcionam as eleições no Reino Unido

O espectro político no Reino Unido tem, no geral, o Partido Conservador à direita e o Partido Trabalhista à esquerda. Por ser um sistema parlamentarista, o partido que ganha o maior número de cadeiras nas eleições gerais escolhe o primeiro-ministro.

A última eleição geral foi em 2019, quando os conservadores, liderados por Boris Johnson, ganharam maioria das cadeiras.

Assim, mesmo que ocorram trocas internas, como no caso de Truss e Johnson, o Partido Conservador têm direito a seguir escolhendo internamente o premiê britânico até 2025, quando acaba o atual mandato no Parlamento e ocorrem novas eleições gerais.

Boris Johnson: antecessor de Liz Truss renunciou ao cargo após escândalos envolvendo aliados e o "Partygate", com festas durante o lockdown (Henry Nicholls - Pool/Getty Images)

Nas eleições internas do partido, que foram usadas para escolher Liz Truss como premiê, não participam toda a população britânica: votam somente os filiados do Partido Conservador, pouco menos de 200 mil partidários.

Os conservadores estão no poder desde 2010, primeiro com David Cameron (até 2016) - que renunciou após a vitória do Brexit, saída do Reino Unido da União Europeia -, depois com Theresa May (até 2019) e por fim com o próprio Johnson.

O último premiê trabalhista foi Gordon Brown (2007-10), que sucedeu o também trabalhista Tony Blair, que ficou no cargo por uma década (1997-2007).

Quando Boris Johnson renunciou, o Partido Trabalhista (de oposição) tentou forçar a antecipação de novas eleições gerais, antes de 2025. Na época, a pressão não foi suficiente e o Partido Conservador terminou escolhendo internamente a nova premiê. A tendência é que a pressão por novas eleições gerais, e não só internas dos conservadores, ganhe nova tração com a saída de Truss.

O Reino Unido é composto por Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales, e a premiê eleita terá de governar regiões que somam mais de 67 milhões de pessoas. Os britânicos terminaram 2021 como a quinta maior economia do mundo, com produto interno bruto (PIB) de mais de US$ 3 trilhões. O sistema de governo é uma monarquia parlamentarista, com o rei Charles III sendo somente chefe de Estado e o premiê, chefe de Governo, tomando as decisões políticas e econômicas na prática.