Economia

Inflação acelera no Reino Unido e alcança 10,1% em setembro, a maior desde 1982

Os números podem aumentar as dificuldades enfrentadas pelo governo da primeira-ministra Liz Truss, que luta para permanecer no cargo

Bandeira do Reino Unido hasteada em frente ao Castelo de Windsor em 17 de abril de 2021, antes do funeral do Príncipe Philip, duque de Edimburgo (AFP/AFP)

Bandeira do Reino Unido hasteada em frente ao Castelo de Windsor em 17 de abril de 2021, antes do funeral do Príncipe Philip, duque de Edimburgo (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 19 de outubro de 2022 às 07h26.

Última atualização em 19 de outubro de 2022 às 07h30.

A inflação no Reino Unido acelerou e atingiu o índice de 10,1% em setembro, em ritmo anual, contra 9,9% em agosto, estimulada pelos preços dos alimentos, que registrou uma alta sem precedentes nas últimas quatro décadas, informou o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

Os números podem aumentar as dificuldades enfrentadas pelo governo da primeira-ministra Liz Truss, que luta para permanecer no cargo depois de apresentar um plano econômico que provocou nervosismo nos mercados e a obrigou a aceitar uma humilhante e drástica mudança de rumo.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

De acordo com o ONS, a escalada dos preços no Reino Unido, a maior entre os países do G7, foi parcialmente amortecida pela queda dos preços dos combustíveis, das passagens aéreas e dos carros usados.

"Depois de uma leve queda no mês passado, a inflação voltou ao nível máximo registrado no início do verão" (hemisfério norte, inverno no Brasil), afirmou Darren Morgan, diretor de estatísticas econômicas do ONS.

Embora a inflação permaneça em uma "taxa historicamente alta, os custos enfrentados pelas empresas começam a desacelerar, com a queda em setembro dos preços do petróleo", disse Morgan.

O novo ministro das Finanças, Jeremy Hunt, reagiu de maneira imediata com uma mensagem aos britânicos.

"Eu entendo que as famílias em todo o país estão enfrentando dificuldades com o aumento dos preços e as contas de energia mais altas", afirmou em um comunicado.

Acompanhe tudo sobre:InflaçãoReino Unido

Mais de Economia

Copom: em decisão unânime, BC mantém Selic em 10,5% e põe fim ao ciclo de cortes

Margem Equatorial: Magda Chambriard defende exploração com 'rigorosos padrões de segurança'

Governo e estados acertam criação de fundo em projeto sobre dívida dos estados

Lula quer que Petrobras tenha gestão 'com respeito à sociedade brasileira', diz Magda Chambriard

Mais na Exame