Acompanhe:

Líder rebelde foi torturado na Líbia após ser entregue pela CIA

Documentos encontrados no país mostram que serviço secreto de Kadafi mantinha ligações com agências de segurança dos EUA e do Reino Unido

Modo escuro

Continua após a publicidade
O governo inglês investiga ligações entre o serviço secreto local e o governo de Muammar Kadafi (Joseph Eid/AFP)

O governo inglês investiga ligações entre o serviço secreto local e o governo de Muammar Kadafi (Joseph Eid/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 5 de setembro de 2011 às, 15h19.

Londres - O comandante da milícia rebelde em Trípoli, Abul Hakim Belhaj, foi detido em uma operação da CIA e do MI6 em 2004, entregue à Líbia e torturado pelo regime de Kadafi, informaram nesta segunda-feira vários veículos da imprensa britânica.

De acordo com a "BBC", Belhaj foi detido na Malásia e levado a Bangcoc, de onde seguiu viagem para Trípoli. Documentos que estavam entre os escombros da embaixada britânica na Líbia indicam vínculos entre serviços de espionagem britânicos e serviços de segurança de Kadafi em operações de voos secretos da CIA.

Segundo as informações divulgadas no último fim de semana, homens do governo de Kadafi transmitiam informações ao serviço secreto britânico MI5 sobre interrogatórios que aconteciam na Líbia com suspeitos de terrorismo.

Um dos documentos citados pela "BBC" foi encontrado pela organização americana Human Rights Watch e revela que britânicos e líbios colaboraram para transferir outro suspeito de terrorismo, identificado como Abu Munhtir. Ele foi levado de Hong Kong a Trípoli junto com sua família, apesar do risco de que pudesse ser torturado.

O jornal "The Guardian" lembrou que durante anos os funcionários do MI5 e MI6 negaram cumplicidade com os EUA em operações realizadas após o 11/9. De acordo com a publicação, o líder rebelde Hakim Belhaj exigiu uma desculpa formal dos governos dos EUA e Reino Unido.

"O que aconteceu comigo e com a minha família é ilegal. Mereço um pedido de desculpas por ser capturado, torturado e por todas as coisas ilegais, começando pelo interrogatório em Bangcoc e pela informação privilegiada que foi transmitida para a segurança líbia", disse Belhaj à "BBC".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou nesta segunda-feira que os vínculos entre serviços de inteligência do Reino Unido e serviços de segurança líbios serão averiguados.

Um porta-voz do primeiro-ministro afirmou que o magistrado do Tribunal de Apelações, Peter Gibson, que desde 2006 supervisiona a atividade dos serviços secretos, será responsável por examinar "as novas acusações".

Últimas Notícias

Ver mais
Governo brasileiro se manifesta pela 1ª vez sobre explosões no Irã e pede 'máxima contenção'
Brasil

Governo brasileiro se manifesta pela 1ª vez sobre explosões no Irã e pede 'máxima contenção'

Há 14 horas

Ataque de Israel ao Irã: como é Isfahã, a terceira cidade iraniana, com três reatores nucleares
Mundo

Ataque de Israel ao Irã: como é Isfahã, a terceira cidade iraniana, com três reatores nucleares

Há 15 horas

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.400 pela primeira vez, em meio a tensões no Irã
seloMercados

Ouro sobe e fecha acima de US$ 2.400 pela primeira vez, em meio a tensões no Irã

Há 15 horas

Chefe da Otan anuncia acordo para enviar mais equipamentos de defesa antiaérea à Ucrânia
Mundo

Chefe da Otan anuncia acordo para enviar mais equipamentos de defesa antiaérea à Ucrânia

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais