Acompanhe:

Líbia está à beira da guerra civil, diz Saif al Islam Kadhafi

Várias cidades da Líbia, entre elas Benghazi e Al Baida, enfrentam violentos combates

Modo escuro

Continua após a publicidade
Saif Kadhafi disse que o país está à beira de uma guerra civil (AFP)

Saif Kadhafi disse que o país está à beira de uma guerra civil (AFP)

D
Da Redação

Publicado em 21 de fevereiro de 2011 às, 14h19.

Trípoli - Saif al Islam Kadhafi, filho do líder líbio Muamar Kadhafi, disse em entrevista à televisão, esta segunda-feira, que a Líbia está à beira da guerra civil e que a violência é resultado de um "complô estrangeiro".

À noite, por volta das 20h45 de Brasília (23H45 GMT), foram ouvidos intensos disparos em vários bairros da capital, Trípoli, constataram um correspondente da AFP e testemunhas consultadas.

Saif al Islam Kadhafi reconheceu que várias cidades do país, entre elas Benghazi e Al Baida, no leste, enfrentam violentos combates e que os responsáveis pelos distúrbios tomaram posse de armas milirares.

É em Benghazi que trabalham os 123 funcionários brasileiros da construtora Queiroz Galvão, que tanto a empresa quando a chancelaria do Brasil tentam retirar do país em um avião fretado, informou à AFP uma fonte oficial.

"Neste momento, os tanques se deslocam em Benghazi dirigidos por civis. Em Al Baida, as pessoas levam fuzis e muitos depósitos de munições foram saqueados. Temos Armas, o exército tem armas, as forças que querem destruir a Líbia têm armas", disse Saif al Islam Kadhafi, segundo quem milhares de pessoas se dirigem para Trípoli.

"Se todos estão armados, é guerra civil", afirmou.

De acordo com o filho de Khadafi, cujas declarações foram transmitidas pela televisão líbia, os confrontos são provocados por elementos que têm como objetivo destruir a unidade do país e instaurar uma república islâmica.

"Destruiremos os elementos da sedição", disse, prometendo uma Constituição e novas leis liberais.

O exército terá agora um papel essencial para impor a segurança porque é a unidade e a estabilidade da Líbia" que estão em jogo, declarou o filho do líder líbio, afirmando que o exército lívio "não é o exército tunisiano, não é o exército egípcio".

"A Líbia está em uma encruzilhada. Ou entramos em acordo hoje sobre as reformas, ou não choraremos 84 mortos, mas milhares e mais e haverá rios de sangue em toda a Líbia", acrescentou Saif al Islam, segundo quem é exagerado o número de vítimas divulgado pela imprensa estrangeira.

De acordo com a ONG humanitária Human Rights Watch, 173 pessoas morreram na repressão aos protestos antirregime iniciados em 15 de fevereiro.

Segundo um balanço da AFP, feito com base em várias fontes líbias, morreram 77 pessoas, a maioria em Benghazi, nas manifestações contra o regime do coronel Kadhafi, no poder há 42 anos.

"Tomaremos as armas... Lutaremos até a última bala", disse. "Muamar Kadhafi comanda a batalha de Trípoli e venceremos", disse.

"A Líbia não é o Egito, não é a Tunísia. Não há partidos políticos na Líbia", acrescentou. "Muamar Kadhafi não é Zine el Abidine Ben Ali. Não é Mubarak", desafiou.

Muamar Kadhafi, que dirige o país desde 1969, não fez qualquer declaração pública desde que começaram os atos de violência.

"Não vamos abandonar a Líbia", declarou Saif Al Islam, e afirmou: "viveremos na Líbia, morreremos na Líbia".

Segundo informações ainda não confirmadas, Muamar Kadhafi, nascido em 1942, teria deixado a Líbia no domingo à noite.

Na Venezuela, fontes oficiais desmentiram em declarações à AFP que o líder líbio tenha deixado seu país rumo ao aliado sul-americano, ao contrário de boatos que circularam nas últimas horas nas redes sociais na internet.

"É falso", asseguraram as fontes, que preferiram manter a identidade em sigilo.

Centenas de mensagens circularam este domingo em redes sociais como o Twitter, assegurando que Kadhafi deixou Trípoli a bordo de um avião com destino à Venezuela.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, e Kadhafi estreitaram suas relações nos últimos tempos e declararam travar uma batalha contra o mesmo inimigo: o imperialismo.

O chefe de Estado venezuelano esteve em Trípoli em outubro passado e Kadhafi visitou a Venezuela em setembro de 2009.

Últimas Notícias

Ver mais
Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses
seloMercados

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses

Há 15 horas

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado

Há 16 horas

EUA vai impor novas sanções ao Irã e espera o mesmo de aliados
Mundo

EUA vai impor novas sanções ao Irã e espera o mesmo de aliados

Há 18 horas

Exército de Israel diz ter matado comandante do Hezbollah no Líbano
Mundo

Exército de Israel diz ter matado comandante do Hezbollah no Líbano

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais