Mundo

Kristalina Georgieva assume como diretora do FMI pela segunda vez

A decisão foi tomada por consenso e Georgieva ficará mais cinco anos no cargo, o que totalizará uma década à frente da instituição financeira internacional

FMI: a economista búlgara, nascida em Sófia em 1953, chefia o FMI desde outubro de 2019 (AFP/AFP Photo)

FMI: a economista búlgara, nascida em Sófia em 1953, chefia o FMI desde outubro de 2019 (AFP/AFP Photo)

Publicado em 12 de abril de 2024 às 19h13.

Nesta sexta-feira, 12, o conselho executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) confirmou um segundo mandato de Kristalina Georgieva como diretora da instituição financeira internacional. Ela ficará no cargo por mais cinco anos e era a única candidata a comandar o órgão. A decisão foi tomada por consenso, informou a organização em nota. 

O atual mandato de Georgieva se encerraria no dia 30 de setembro de 2024. Agora, se estende até 2029.

"Estou profundamente grata pela confiança e o apoio do Conselho Executivo do Fundo, que representa nossos 190 membros, e me sinto honrada por continuar dirigindo o FMI", reagiu Georgieva em um comunicado publicado imediatamente após a notícia de sua permanência no cargo.

"Ao tomar esta decisão, o conselho reconhece a forte liderança de Georgieva durante seu mandato, superando uma série de comoções globais importantes. Georgieva liderou a resposta sem precedentes do FMI a estes choques", declararam Afonso Bevilaqua e Abdullah BinZarah, membros do conselho citados na nota.

Quem é Kristalina Georgieva?

A economista búlgara, nascida em Sófia em 1953, chefia o FMI desde outubro de 2019, depois de ter sido diretora-gerente do Banco Mundial (BM) por quase três anos.

Antes de ingressar nas instituições financeiras internacionais, Kristalina Georgieva trabalhou por seis anos na Comissão Europeia, primeiro como encarregada de Cooperação Internacional durante a presidência de José Manuel Barroso, depois de Orçamento e Recursos Humanos sob o mandato de Jean-Claude Juncker, antes de se tornar vice-presidente da Comissão entre o fim de 2014 e o fim de 2016.

Esta decisão encerra o processo de nomeação do novo diretor-gerente do Fundo, iniciado em 13 de março passado e que inicialmente estava previsto para se estender até o fim de abril.

Também permite confirmar Georgieva antes do início das reuniões da primavera (boreal) do FMI e do BM, que vão começar na próxima terça com a publicação da atualização do relatório de perspectivas da economia mundial (WEO), e se estenderão até a sexta-feira.

Definição dos cargos

Tradicionalmente, os países europeus propõem o diretor-gerente do FMI e os Estados Unidos, o presidente do Banco Mundial.

O sistema é questionado pelos principais países emergentes, mas a distribuição do capital destas duas instituições favorece os Estados Unidos e a UE.

Há um ano, foi nomeado o novo presidente do BM, Ajay Banga, nascido na Índia, mas com nacionalidade americana, seguindo um procedimento similar.

(Com Agência AFP)

Acompanhe tudo sobre:FMIBanco MundialEuropaEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Quer morar nos EUA? Saiba quando você precisa ganhar para ser considerado 'classe média'

Morte de presidente do Irã não deve gerar revolução, mas disputa silenciosa, diz especialista

EUA: Yellen pedirá a aliados europeus para atuar de modo conjunto nas sanções contra a Rússia

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Mais na Exame