Mundo

Kirchner acusa Milei de submeter povo argentino a 'sacrifício inútil'

Para a ex-presidente argentina, novo governo "não tem plano de estabilização"

 (AFP/AFP Photo)

(AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 28 de abril de 2024 às 08h59.

Tudo sobreArgentina
Saiba mais

A ex-presidente argentina Cristina Kirchner acusou, neste sábado, 27, o atual ocupante da Casa Rosada, Javier Milei, de submeter o povo a um "sacrifício inútil" em prol de um déficil fiscal zero, uma afirmação à qual o mandatário respondeu responsabilizando o kichnerismo por "deixar um país destruído".

Ao reaparecer no cenário político em um ato multitudinário, Kirchner, a peronista de centro esquerda que governou a Argentina entre 2007 e 2015, e que foi vice-presidente de Alberto Fernández de 2019 a 2023, fez duras críticas ao governo do ultraliberal Milei.

Ela o fez ao discursar na inauguração de um estádio em Quilmes, nos arredores de Buenos Aires, que leva o nome de seu falecido marido, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007).

"Escutei o presidente (Milei) em rede nacional e decidi vir para cá para refletir sobre este momento particular que a Argentina vive, sobre o projeto anarco-capitalista e o sacrifício inútil ao qual nosso povo está sendo submetido", criticou.

Na segunda-feira, Milei comemorou como uma "façanha histórica" o primeiro trimestre com superávit financeiro que a Argentina registra desde 2008, primeiro ano do governo de Kirchner, sua adversária política.

Mas a ex-presidente disse no sábado que este superávit "não tem sustentação".

Com Milei, peso argentino vira "queridinho" do mercado

"Sessenta por cento podem ter votado em você, mas se depois, quando está no governo, as pessoas passam fome, perdem o trabalho, não conseguem chegar ao fim do mês, serve de que?", acrescentou, em alusão ao percentual obtido por Milei no segundo turno das eleições que o levaram ao poder.

As medidas econômicas de Milei incluem a paralisação das obras públicas, demissões de funcionários públicos, fechamento de dependências do governo, corte de subsídios, aumento de tarifas públicas e o congelamento de orçamentos em um momento em que a inflação beira os 290% ao ano e a pobreza castiga metade da população.

"Este governo não tem plano de estabilização (...) É apenas um plano de ajuste", advertiu Kirchner.

"O presidente tem que compreender que deve fazer uma mudança de rumo nesta política", enfatizou.

Presidente responde

Milei, um economista que previu dois anos de sacrifícios antes de reativar a economia argentina, respondeu rapidamente às críticas de Kirchner.

"O povo passa fome porque vocês, durante décadas, defenderam um modelo que se baseava em gastar sem limites e falsificar dinheiro para tapar o buraco", escreveu o presidente na plataforma X.

"O resultado é um país destruído, com 60% de pobres. Do que serve o que estamos fazendo? Serve para reconstruir o país que vocês destruíram... VALC...!!!", acrescentou, usando as iniciais de seu lema de campanha, "Viva a Liberdade, Caralho".

Acompanhe tudo sobre:Cristina KirchnerJavier MileiArgentina

Mais de Mundo

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Líder do Hezbollah diz que 'nenhum lugar' de Israel estará a salvo em caso de guerra

Governo Milei nega 'pacto de impunidade' com Bolsonaro por foragidos do 8 de janeiro

União Europeia repreende sete países por desrespeito às regras financeiras do bloco

Mais na Exame