Mundo

Japão divulga declarações de ex-diretor de Fukushima

Mais de 3 anos após o acidente de Fukushima, o governo do Japão publicou declarações do então diretor da central nuclear

Masao Yoshida, ex-diretor da central de Fukushima: Masao faleceu no ano passado (AFP)

Masao Yoshida, ex-diretor da central de Fukushima: Masao faleceu no ano passado (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de setembro de 2014 às 10h06.

Tóquio - Três anos e meio depois do acidente de Fukushima, o governo japonês publicou nesta quinta-feira o conteúdo das audiências dos protagonistas do drama, incluindo a do então diretor da central, Masao Yoshida.

Falecido no ano passado em consequência de um câncer, Yoshida foi interrogado durante horas entre julho e novembro de 2011 sobre as operações realizadas para recuperar o controle da central.

"Quando o edifício do reator 3 explodiu, não tínhamos notícia de 40 pessoas. Naquele momento, disse que se algo acontecesse a eles, abriria as tripas ali mesmo. Felizmente ninguém morreu", contou.

Ao ser perguntado sobre se pensou em algum momento em abandonar o lugar, Yoshida respondeu: "No fim, se a situação tivesse sido realmente horrível e fosse necessário fugir, teria deixado o mínimo de pessoas indispensáveis. Eu tinha a intenção de ficar".

Yoshida era o intermediário entre os técnicos em terra e na sede em Tóquio da empresa Tokyo Electric Power (Tepco).

O governo também dava ordens, a autoridade de segurança nuclear estava presente e suas intervenções nem sempre eram consideradas as mais adequadas.

"Por que era obrigado a falar diretamente com o governo, o que a sede e a autoridade faziam? Sempre pensei que não tinha sentido", se queixou, dizendo que cada vez era mais difícil responder a ordens incoerentes, o que motivou sua desobediência em algumas ocasiões.

Sua experiência em instalações atômicas permitiu a Yoshida entender rapidamente que em breve surgiria o problema da água contaminada.

"Desde março de 2011 adverti que se não nos ocupássemos corretamente do tratamento urgente de água, custaríamos a estabilizar a situação", insistiu.

Três anos e meio depois, os fatos dão razão Yoshida e provam que o problema das centenas de milhares de toneladas de líquido contaminado não foi levado a sério no momento.

Entre a lista de declarações, publicadas em um site governamental, também encontram-se as do ex-primeiro-ministro Naoto Kan, do ex-ministro da Indústria Banri Kaieda e do então porta-voz governamental Yukio Edano.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-nuclearesÁsiaEnergiaEnergia nuclearFukushimaInfraestruturaJapãoPaíses ricos

Mais de Mundo

O que aconteceu com o Titan? Um ano após implosão, investigação ainda não foi concluída

Direito ao aborto é retirado da declaração do G7 por oposição da Itália

Suprema Corte dos EUA anula proibição de acessório que converte armas em metralhadoras

Israel bombardeia Gaza e tensões continuam na fronteira com o Líbano

Mais na Exame