Acompanhe:

Israel resolve impasse político e forma novo governo

Agora, o Parlamento poderá votar um novo orçamento e medidas de combate ao coronavírus; Netanyahu dá golpe de mestre e continua no poder

Modo escuro

Continua após a publicidade
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (à esquerda) e seu rival político, Benny Gantz, fecham acordo (Montagem/Exame)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (à esquerda) e seu rival político, Benny Gantz, fecham acordo (Montagem/Exame)

C
Carla Aranha

Publicado em 20 de abril de 2020 às, 15h48.

Última atualização em 20 de abril de 2020 às, 16h33.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e seu rival político, Benny Gantz, finalmente formaram um governo de coalização nesta segunda-feira, dia 20. O país vivia um clima de impasse há um ano, período em que Netanyahu, do tradicional partido Likud, foi designado primeiro-ministro interino.

Foram realizadas três eleições, a última delas no dia 3 de março, sem que nenhum dos dois postulantes ao cargo obtivesse maioria absoluta no Parlamento de Israel.

Em meio à crise do coronavírus, o presidente do país, Reuven Rivlin, conclamou várias vezes os dois candidatos a chegar a um acordo. “Temos que estabelecer um novo governo o mais rápido possível para que seja possível guiar a população em um momento tão complexo”, disse.

Com cerca de 9 milhões de habitantes, Israel já tem mais de 13.500 casos confirmados de coronavírus. Sem a formação de um governo, o Knesset estava impedido de votar um novo orçamento ou medidas econômicas emergenciais de combate aos impactos da covid-19.

Depois de muitas conversas entre o Likud e o partido de Gantz, o Azul e Branco, ficou decidido que haverá um revezamento no cargo de primeiro-ministro. Nos primeiros 18 meses, a contar a partir de agora, Netanyahu chefia o governo, com Gantz como seu vice. Depois, eles trocam de lugar.

O acordo está sendo interpretado como um golpe de mestre de Netanyahu, que mais uma vez permanece no topo da cena política – e com uma vantagem extra.

O pacto firmado com Gantz, um político contrário à anexação de territórios palestinos por Israel, permite que Netanyahu vete nomeações para os cargos de procurador-geral e promotor. No dia 24 de maio, o primeiro-ministro, que exerce o poder há 11 anos consecutivos, será julgado por três crimes de corrupção.

Ainda falta a resolução dessas polêmicas para os israelenses poderem respirar aliviados. Caso seja encaminhada uma petição à Suprema Corte para considerar Netanhyahu inapto a exercer suas funções, deverá ser convocada uma nova eleição.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Exército de Israel diz ter matado comandante do Hezbollah no Líbano
Mundo

Exército de Israel diz ter matado comandante do Hezbollah no Líbano

Há 12 horas

Brasil sofre duas vezes com a alta do petróleo, diz Alexandre Silverio, CEO da Tenax Capital
seloMercados

Brasil sofre duas vezes com a alta do petróleo, diz Alexandre Silverio, CEO da Tenax Capital

Há 13 horas

Bitcoin despenca a poucos dias do halving: entenda o impacto das tensões entre Israel e Irã
Future of Money

Bitcoin despenca a poucos dias do halving: entenda o impacto das tensões entre Israel e Irã

Há 18 horas

Ministro de Israel solicita sanções contra o Irã a 32 países
Mundo

Ministro de Israel solicita sanções contra o Irã a 32 países

Há 18 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais