Mundo

HP é a empresa eletrônica mais 'verde' do mundo, diz Greenpeace

Segundo ONG, a canadense RIM, fabricante do celular BlackBerry, é a pior

Empresa melhorou três posições no ranking mundial e se colocou no topo da lista, com 5,9 pontos, numa escala de 10 (Dirk Waem/HP)

Empresa melhorou três posições no ranking mundial e se colocou no topo da lista, com 5,9 pontos, numa escala de 10 (Dirk Waem/HP)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de novembro de 2011 às 20h03.

Toronto - A ONG ambiental Greenpeace informou nesta segunda-feira que a multinacional americana HP é a empresa eletrônica mais ecológica do mundo por suas operações sustentáveis e critérios energéticos, enquanto a canadense RIM, fabricante do celular BlackBerry, é a pior.

Em seu relatório anual "Guia para uma eletrônica mais verde", o Greenpeace indica que a HP melhorou três posições no ranking mundial e se colocou no topo da lista, com 5,9 pontos, numa escala de 10. Logo atrás, ficaram a Dell, com 5,1 pontos, e a Nokia, com 4,9 pontos.

A Apple, fabricante do iPhone e iPad, é a quarta empresa mais verde, após subir cinco colocações no ranking graças a seus "produtos verdes e operações sustentáveis relativamente fortes".

Philips, Sony Ericsson, Samsung, Lenovo, Panasonic e Sony seguem na lista das dez principais companhias.

No outro extremo, a canadense RIM situa-se na última posição do ranking do Greenpeace, no 15º lugar, com somente 1,6 ponto.

"Nova na lista, a RIM precisa melhorar as informações e revelação de seu rendimento no meio ambiente, comparado com outros fabricantes de telefones celulares", destacou o Greenpeace.

Acompanhe tudo sobre:BlackBerryEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaGreenpeaceHPListasRankingsServiços

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame