Acompanhe:

A disputa histórica entre Venezuela e Guiana sobre a região de Essequibo ganhará um novo capítulo neste domingo, com a realização de um referendo na Venezuela que decidirá sobre a anexação deste território rico em petróleo. Por um lado, a Guiana, que administra a região, considera o referendo uma ameaça à sua integridade territorial e buscou intervenção internacional. Já a Venezuela critica a ação, alegando interferência nos assuntos internos.

A tensão aumentou com movimentações militares da Venezuela na fronteira guianesa, levando atores internacionais a entrarem em cena: os Estados Unidos ameaçaram impor novas sanções ao governo de Nicolás Maduro e o Brasil, como país vizinho e parceiro, demonstra grande preocupação com uma escalada no conflito.

Entenda a tensão entre os dois países e quais as implicações na dinâmica geopolítica da região disputada:

O que está em jogo?

O governo da Venezuela vai promover um referendo em 3 de dezembro, no qual perguntará a seus cidadãos se apoiam a concessão da nacionalidade venezuelana aos 125 mil habitantes de Essequibo, região de 160 mil km², rica em petróleo, pela qual o país mantém um litígio com a vizinha Guiana. A consulta popular também vai decidir a criação de uma nova província venezuelana chamada "Guiana Essequiba".

Por sua vez, a Guiana, que administra a região, rejeita a iniciativa venezuelana, classificando-a de "ameaça" e uma violação das "leis internacionais".

De quem é Essequibo?

Ambos os países têm uma longa história de disputa territorial por Essequibo, embora, na prática, ele seja administrado por Georgetown. A raiz do problema, contudo, remonta ao século XIX, quando as fronteiras das colônias eram frequentemente estabelecidas por meio de acordos entre potências europeias.

De um lado, a Guiana se atém a um laudo arbitral de Paris de 1899, no qual foram estabelecidas as fronteiras atuais. Do outro, a Venezuela reivindica o Acordo de Genebra, firmado em 1966 com o Reino Unido, antes da independência guianesa, que anulou o laudo arbitral francês, considerado "fraudulento" por Caracas, e se estabeleceram as bases para uma solução negociada.

A controvérsia está atualmente nas mãos da Corte Internacional de Justiça (CIJ), cuja jurisdição é rejeitada pelo Estado venezuelano.

Por que o território é importante?

A disputa por Essequibo ganhou força nos últimos anos, com momentos de escalada de tensões, incluindo incidentes marítimos e trocas de acusações entre os dois países. Além disso, a descoberta de reservas significativas de petróleo na região e as negociações da Guiana com a gigante petrolífera americana ExxonMobil para sua exploração aumentou ainda mais a importância estratégica do território disputado.

Com as maiores reservas de petróleo per capita do mundo, a Guiana lançou em dezembro de 2022 a primeira rodada de licitações para explorar 11 campos de petrolíferos em águas rasas e outros três em águas profundas e ultraprofundas. Caracas, por sua vez, rejeitou as licitações, classificando-as como "ilegais" por envolverem "áreas marítimas pendentes de delimitação".

Vai haver uma guerra?

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, já declarou que espera que prevaleça "a sensatez", mas garantiu que seu governo está se preparando para qualquer cenário, ao considerar o referendo "uma ameaça para a paz e a segurança na América Latina e no Caribe". Ele também advertiu que seu governo falou sobre o assunto com "parceiros estratégicos", incluindo "membros do Conselho de Segurança da ONU", em alusão aos Estados Unidos.

Por sua vez, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs uma reunião com Ali, que se declarou disposto a manter conversas como um "bom vizinho", mas ressaltou que a controvérsia deve ser resolvida na CIJ. O governo de Maduro, no entanto, já defendeu publicamente a invasão do território em disputa há mais de 100 anos, quando a Guiana ainda era colônia britânica, o que preocupa autoridades internacionais.

Quem apoia o referendo?

A reivindicação por Essequibo se tornou um ponto de união entre chavistas e opositores, que têm demonstrado amplo apoio à iniciativa do governo Maduro.

Analistas apontam que o referendo, que ocorre em meio aos preparativos para as eleições presidenciais de 2024 na Venezuela, adota uma abordagem nacionalista e busca desviar o foco dos problemas econômicos do país.

Como o Brasil está envolvido no assunto?

O Brasil já declarou que defende uma solução pacífica para o conflito, como disse o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira. Além disso, segundo apuração do GLOBO, o presidente da Guiana, Irfaan Ali, pediu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o governo brasileiro dissuadisse Maduro de sua intenção de avançar sobre o território do país. O pedido, somado ao tom da campanha em circulação, que conta com o apoio de amplos setores da oposição venezuelana, aumentou a preocupação entre as autoridades brasileiras e no Itamaraty.

Na semana passada, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Celso Amorim, viajou a Caracas para alertar Maduro sobre uma escalada de tensões, mas sem pedir que o referendo não seja realizado, disseram fontes do governo. Além de alertar sobre o material de campanha em circulação, Amorim pediu a Maduro que busque o diálogo e baixe o tom sobre as ameaças de invasão territorial sob o argumento de que um conflito entre os dois países pode criar "uma situação de instabilidade regional"

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Autoridades russas ameaçam enterrar Navalny na prisão onde morreu, afirma oposição
Mundo

Autoridades russas ameaçam enterrar Navalny na prisão onde morreu, afirma oposição

Há 3 horas

Blinken diz que governo dos EUA está 'desapontado' com a construção de assentamentos na Cisjordânia
Mundo

Blinken diz que governo dos EUA está 'desapontado' com a construção de assentamentos na Cisjordânia

Há 3 horas

Nikki Haley conquista algumas republicanas nas primárias da Carolina do Sul
Mundo

Nikki Haley conquista algumas republicanas nas primárias da Carolina do Sul

Há 3 horas

Alemanha legaliza uso recreativo da cannabis
Mundo

Alemanha legaliza uso recreativo da cannabis

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais