Mundo

Grafite de Banksy lembra: Steve Jobs era filho de refugiados

O eterno artista de rua decidiu usar seus traços para dar voz ao drama vivido pelos refugiados

Grafite de Banksy em Calais, na França, lembrando que Steve Jobs era filho de refugiados sírios (Reprodução)

Grafite de Banksy em Calais, na França, lembrando que Steve Jobs era filho de refugiados sírios (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de dezembro de 2015 às 15h50.

Banksy voltou. O eterno artista de rua decidiu usar seus traços para dar voz ao drama vivido pelos refugiados de Calais, na França, num campo conhecido por Selva.

A imagem com os traços característicos do artista retratam Steve Jobs, o fundador da gigante Apple, com uma sacola pendurada no ombro e um computador antigo, ou vintage - se preferir -, numa mão.

A ideia é lembrar ao mundo o fato de que o pai de Jobs era uma imigrante sírio que passou a viver nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial. Numa declaração dada ao jornal inglês The Guardian, Jobs critica a visão de que os refugiados são um peso para os orçamentos dos países desenvolvidos.

"Steve Jobs era filho de um sírio. A Apple é a empresa mais lucrativa do mundo, paga mais de 6 bilhões de euros (R$ 25 bilhões) em impostos todos os ano - e isso é só porque deixaram um jovem vindo de Homs entrar".

Acompanhe tudo sobre:AppleBanksyEmpresáriosEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiaPersonalidadesRefugiadosSíriaSteve JobsTecnologia da informação

Mais de Mundo

Trump pede apoio de evangélicos nas eleições de novembro

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Governo colombiano inicia diálogo com dissidência das Farc

Mais na Exame