Mundo

Furacão Idalia ganha força e ameaça costa da Flórida

Governador da Flórida e pré-candidato à presidência dos Estados Unidos, declarou estado de emergência em 46 condados na segunda-feira

Idalia, com ventos máximos sustentados de 110 km/h, provocou a retirada de milhares de moradores das províncias do oeste de Cuba (AFP/AFP)

Idalia, com ventos máximos sustentados de 110 km/h, provocou a retirada de milhares de moradores das províncias do oeste de Cuba (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 29 de agosto de 2023 às 07h21.

A tempestade tropical Idalia ganhou força nesta terça-feira, 29, e virou furacão em sua trajetória para a costa do Golfo da Flórida, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.

Furacão

"Idalia agora é um furacão. A expectativa é que se intensifique e vire rapidamente um grande furacão, extremamente perigoso, antes de tocar o solo na quarta-feira", afirma um alerta do NHC publicado às 9h00 GMT (6h00 de Brasília).

Ron DeSantis, governador da Flórida e pré-candidato à presidência dos Estados Unidos, declarou estado de emergência em 46 condados na segunda-feira e anunciou a retirada de moradores no oeste do estado.

"Este vai ser um furacão potente e, sem dúvida, vai afetar o estado da Flórida de muitas maneiras diferentes. Então, por favor, prestem atenção nas diretrizes das autoridades locais", afirmou DeSantis em uma entrevista coletiva.

O presidente americano Joe Biden conversou com DeSantis na segunda-feira e aprovou uma declaração de emergência para a Flórida, o que garante ajuda federal para enfrentar a passagem do furacão.

Idalia, com ventos máximos sustentados de 110 km/h, provocou a retirada de milhares de moradores das províncias do oeste de Cuba na segunda-feira.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

Acompanhe tudo sobre:FuracõesEstados Unidos (EUA)Desastres naturais

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame