Fundo BlackRock nega negociação de vacinas com empresas brasileiras

Suposta negociação chegou a ser endossada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas laboratórios afirmam que governos e consórcios multilaterais tem prioridade nas tratativas

O fundo de investimentos BlackRock negou nesta quinta-feira (28) que esteja negociando a venda de 33 milhões de doses da vacinas de Oxford/Astrazeneca para um grupo de empresas privadas brasileiras. A negativa vem após executivos Coalizão Indústria (que reúne grandes empresas e entidades do setor) afirmarem que a suposta negociação não acontecia com a Astrazeneca - que também negou as tratativas -, mas sim com o fundo de investimentos, que é acionista do laboratório.

A BlackRock não tem nenhum acordo com nenhum fornecedor de vacinas Covid para adquirir doses de vacina e nunca se envolveu em quaisquer discussões relacionadas com o esforço das empresas brasileiras para adquirir a vacina AstraZeneca. Estes rumores são completamente falsos. Autoridades em todo o mundo já alertaram para esquemas relacionados com a suposta comercialização de vacinas, e é importante que as empresas e os governos se mantenham vigilantes.

Comunicado do fundo de investimentos BlackRock enviado à EXAME

Nesta semana, o grupo de empresários chegou a conversar com o presidente Jair Bolsonaro, que deu o aval do governo federal para a negociação. Em tese, metade das 33 milhões de doses supostamente negociadas iriam para o SUS, enquanto o restante seria usado pelo consórcio para imunizar parte dos seus funcionários.

Vale, JBS e Oi confirmaram que foram convidadas a sentar à mesa, mas recusaram. A Gerdau, cujo diretor jurídico estaria organizando o consórcio, negou liderança, mas confirmou participar das conversas. Ambev, Claro, Santander e Itaú afirmaram que a informação não procede e que não fazem parte do grupo.

A informação de que parte do setor privado buscava preencher as lacunas do governo federal na aquisição de vacinas, e o posterior aval de Bolsonaro à iniciativa causou estranhamento pois, neste primeiro momento, os laboratórios têm dado prioridade às negociações com governos e organizações multilaterais, como o consórcio Covax Facility. A aliança da OMS para compra de vacinas a países mais pobres, inclusive, tem o Brasil como integrante - o país adquiriu direitos de compra de doses para 10% da população, que complementa os acordos que o governo já tem com as fabricantes.

“No momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo da Covax Facility, não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado”, afirmou a Astrazeneca na última terça (26). O laboratório tem um acordo de transferência de tecnologia com a Fundação Oswaldo Cruz, que permitirá ao instituto brasileiro fabricar a vacina localmente. “Como parte do nosso acordo com a Fiocruz, mais de 100 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca (AZD1222) estarão disponíveis no Brasil, em parceria com o Governo Federal”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.