Mundo

França vai proibir viagens não essenciais para o Reino Unido

Além disso, o isolamento será indispensável na chegada, em um local escolhido pelos viajantes e durante sete dias, informou o governo francês

Mulher com máscara caminha pelo aeroporto de Heathrow, em Londres (AFP/AFP)

Mulher com máscara caminha pelo aeroporto de Heathrow, em Londres (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 16 de dezembro de 2021 às 06h33.

Última atualização em 16 de dezembro de 2021 às 09h52.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A França anunciou nesta quinta-feira (16) que as viagens não essenciais a partir do ou para o Reino Unido serão proibidas a partir de sábado devido à rápida propagação da variante ômicron da covid-19 do outro lado do Canal da Mancha.

A partir de meia-noite de sábado (20H00 de Brasília de sexta-feira), os viajantes, vacinados ou não, deverão ter "uma razão de peso" para ir ou voltar do Reino Unido, apresentar um teste negativo e comunicar um endereço na França, informou o governo em um comunicado.

Além disso, o isolamento será indispensável na chegada, em um local escolhido pelos viajantes e durante sete dias. A medida poderá ser retirada após 48 horas se o teste feito no desembarque apresentar resultado negativo, afirmou o porta-voz do governo, Gabriel Attal.

Os cidadãos franceses e suas famílias não precisarão de uma razão de peso para retornar do Reino Unido, mas devem cumprir os outros requisitos. A França limita assim as viagens de turismo e profissionais para os não residentes.

"O governo pede aos que pretendiam viajar ao Reino Unido que adiem a viagem", afirma um comunicado.

O Reino Unido, onde a variante ômicron do coronavírus avança com grande velocidade, registrou na quarta-feira o recorde de casos diários de covid-19 (78.610) desde o início da pandemia, de acordo com os números oficiais.

A França detectou 240 casos de ômicron, mas o número provavelmente é maior, afirmou Attal, que justificou a medida como uma maneira de frear a propagação enquanto o país acelera a vacinação com as doses de reforço.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusExame HojeFrançaReino Unido

Mais de Mundo

Grécia vai construir a maior 'cidade inteligente' da Europa, com casas de luxo e IA no controle

Seis mortos na Nova Caledônia, onde Exército tenta retomar controle do território

Guerra nas estrelas? EUA ampliam investimentos para conter ameaças em órbita

Reguladores e setor bancário dos EUA devem focar em riscos essenciais, diz diretora do Fed

Mais na Exame