Mundo

França anuncia que confinamento deve durar pelo menos seis semanas

Em vigor há uma semana, o confinamento na França obriga a população a permanecerem em casa para tentar conter avanço do coronavírus

Coronavírus na França: lugares turísticos ficam desertos durante quarentena  (Stephane Cardinale/Getty Images)

Coronavírus na França: lugares turísticos ficam desertos durante quarentena (Stephane Cardinale/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 24 de março de 2020 às 17h11.

Última atualização em 24 de março de 2020 às 17h24.

O confinamento imposto na França para conter o avanço do coronavírus deve durar pelo menos seis semanas no total, informou nesta terça-feira (24) um comitê de especialistas que assessora a Presidência francesa.

"O confinamento durará provavelmente pelo menos seis semanas a partir do momento em que começou", em 17 de março, informou o comitê, que considerou indispensável estender a medida inicialmente prevista por duas semanas.

Esse comitê, formado por médicos, antropólogos e sociólogos, foi criado pelo Ministério da Saúde para assessorar o Presidente Emmanuel Macron na luta contra o Covid-19.

O confinamento da população, que já está em vigor há uma semana em todo o país, obriga todos os franceses a permanecerem em suas casas, exceto em passeios essenciais, como a compra de alimentos.

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, disse que o número de seis semanas é uma "estimativa".

O comitê nos disse que "temos que estar preparados para o confinamento durar mais de duas semanas e que talvez possa ser ainda mais como cinco ou seis semanas", afirmou. "Vai durar o tempo necessário", acrescentou.

Terceiro país mais afetado da Europa, atrás da Itália e da Espanha, a França registra 1.100 mortes por coronavírus e 22.300 casos oficialmente diagnosticados, segundo dados oficiais divulgados nesta terça-feira.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFrança

Mais de Mundo

Coreia do Sul retoma propaganda com alto-falantes após receber mais balões com lixo do Norte

Direita tem resultado histórico na Europa, mas partidos de centro devem manter maioria no parlamento

Ministro da Guerra de Israel renuncia por falta de plano para fim do conflito em Gaza

Ultradireita avança na Bélgica, mas sem destronar conservadores nas eleições nacionais e regionais

Mais na Exame