EUA paga até 500 mil dólares para o melhor design de máscara contra covid

Os critérios para escolha das máscaras vencedoras serão eficiência na proteção, facilidade para respirar e melhor ajuste ao rosto

O governo dos Estados Unidos lançou um concurso para premiar inventores de novas máscaras para prevenção contra o novo coronavírus. Os autores dos modelos escolhidos receberam 500.000 dólares (2,8 milhões de reais, em conversão direta) no total.

A competição chamada de Desafio de Inovação de Máscara, Construindo a Máscara do Amanhã, foi criada em parceria com o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (uma organização do CDC americano) para solucionar problemas comuns apontadas por quem utiliza máscaras, como o fato de embaçarem os óculos, irritar a pele, atrapalhar a comunicação e, potencialmente, deixarem partículas de covid-19 entrarem pelas laterais, caso não sejam bem ajustadas.

Os critérios para escolha das máscaras vencedores serão eficiência na proteção, facilidade para respirar e melhor ajuste ao rosto.

O concurso terá duas fases. A primeira fase será focada no design. Serão consideradas reformulações de máscaras existentes e sugestão de novas tecnologias e materiais. As inscrições devem incluir esquemas reais para a construção das máscaras propostas. Serão escolhidas dez vencedores que ganharão 10.000 dólares (57.000 reais) cada um.

Já na segunda fase, os competidores terão de desenvolver um protótipo com um design de máscara totalmente novo, sem se basear em nenhuma máscara existente. As máscaras serão testadas, e os cinco vencedores da segunda fase dividirão um prêmio de 400.000 dólares (2,3 milhões de reais).

O prazo para inscrição na primeira fase da competição é até 21 de abril. Somente cidadãos americanos podem concorrer.

A ideia de incentivar o desenvolvimento de novas máscaras com melhor design é uma das soluções para diminuir os problemas que atrapalham uma maior adesão ao uso de máscara. Outro grande problema é a disponibilidade. Os fabricantes de máscaras ainda não são capazes de atender à demanda de forma consistente.

A versão mais cobiçada para se proteger da covid-19 é a N95, o padrão ouro de proteção devido a seu ajuste perfeito e aos 95% de eficiência na filtragem de partículas transmitidas pelo ar. Depois há a KN95 da China, máscara que também oferece alta filtragem, mas que é um pouco mais folgada.

Mas comprar essas máscaras está longe de ser uma tarefa fácil. Com o início da pandemia no ano passado, elas imediatamente escassearam à medida que trabalhadores da saúde e governos corriam para obtê-las. E mesmo depois que a oferta melhorou, ainda é difícil encontrar as N95 e as KN95 autênticas.

As mortes e casos de covid-19 estão aumentando novamente em todo o mundo, especialmente no Brasil e na Índia. Hoje, o mundo superou 3 milhões de mortos pela doença. A máscara, higienização das mãos e o distanciamento social ainda são as principais orientações das autoridades de saúde como prevenção contra o coronavírus.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.