Mundo

Por que estudantes da China temem o Gaokao, espécie de Enem aplicado nesta sexta

Exame será feito por 13,4 milhões de alunos do ensino médio

Estudante se prepara para o 'gaokao' em Wuhan, região central da China (AFP)

Estudante se prepara para o 'gaokao' em Wuhan, região central da China (AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de junho de 2024 às 11h44.

Milhões de estudantes do Ensino Médio iniciaram nesta sexta-feira, 7, o temido "gaokao", o Exame Nacional Para o Ingresso no Ensino Superior, que marca o futuro dos jovens na China.

Com mais de 13,4 milhões de estudantes inscritos, segundo o Ministério da Educação, é muito provável que o número de participantes nas provas supere um recorde histórico este ano.

Reflexo da importância do exame, mães e pais acompanharam os filhos até os locais de prova na capital Pequim.

"Dizem que este é o início de uma vida. Então, você não pode relaxar", declarou Zhi Haihong, uma mãe de 50 anos, que usava um vestido tradicional vermelho, a cor da sorte na China.

O"gaokao" avalia os conhecimentos dos estudantes em várias disciplinas, como chinês, inglês, matemática, ciências e humanidades. Os resultados são essenciais para a admissão nas universidades.

De modo paralelo ao crescimento econômico, o Ensino Superior teve uma rápida expansão na China, assim como as expectativas dos pais a respeito das carreiras profissionais de seus filhos.

"Acho que é um processo necessário de crescimento", afirmou Zhi ao ser questionada sobre a pressões acadêmicas enfrentadas pelos jovens.

Para ela, o gaokao também é um "método para que o país selecionar pessoas talentosas". Ela acredita que, depois do processo, os jovens conseguirão "suportar as pressões no futuro, quando devem trabalhar na sociedade".

Mas o mercado de trabalho para os recém-formados não é mais tão dinâmico. A segunda maior economia do planeta não consegue concretizar a recuperação após a pandemia e o desemprego entre os jovens estava em níveis recorde no ano passado, quando as autoridades interromperam a divulgação desta estatística.

Em uma conversa com outros pais depois de levar a filha para a primeira prova, Sun Song, de 45 anos, tenta conter as expectativas.

"Será suficiente se ela conseguir encontrar um emprego que a agrade e se conseguir entrar em uma universidade de que goste”, disse Sun à AFP.

"Se ela for uma jovem feliz, isto é o suficiente".

 

Acompanhe tudo sobre:ChinaEducação

Mais de Mundo

Onze toneladas de lixo — e um esqueleto — são removidos do Himalaia

Biden pede desculpas a Zelensky por atraso no envio de armas

Irlanda e República Tcheca comparecem às urnas para eleições da União Europeia

Em viagem de Alckmin, presidente da China elogia relação entre Brasil e o país asiático

Mais na Exame