Mundo

Estoque de urânio do Irã preocupa comunidade internacional

País enriquece urânio ao ponto de transformar metal radioativo em bomba; eleições acontecem no próximo mês

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 28 de maio de 2024 às 14h14.

O Irã aumentou seu estoque de urânio próximo ao grau de bomba, um movimento que pode inflamar tensões em todo o Oriente Médio enquanto Teerã se prepara para realizar eleições presidenciais no próximo mês. As informações são da Bloomberg. Esta é a primeira avaliação de salvaguardas nucleares desde que o presidente e o ministro das Relações Exteriores do Irã morreram em um acidente de helicóptero, poucos dias após altos funcionários da agência de vigilância atômica das Nações Unidas viajarem ao país para garantir maior cooperação em seus esforços de monitoramento.

Inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) verificaram na segunda-feira (27) que o estoque de urânio altamente enriquecido do Irã aumentou 17% nos últimos três meses, de acordo com um relatório restrito de nove páginas circulado entre diplomatas. Esse urânio é suficiente para abastecer várias ogivas, caso o Irã tome a decisão política de buscar armas.

"Declarações públicas adicionais feitas no Irã durante este período de relatório sobre suas capacidades técnicas para produzir armas nucleares e possíveis mudanças na doutrina nuclear do Irã apenas aumentam as preocupações sobre a correção e completude das declarações de salvaguardas do Irã," disse o Diretor-Geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, no relatório.

Os recentes ataques de mísseis entre Israel e Irã aumentaram a urgência da busca de anos da AIEA para descobrir o escopo das ambições nucleares de Teerã. Enquanto a AIEA realiza inspeções diárias das instalações atômicas declaradas, suspeitas persistem sobre se engenheiros iranianos poderiam estar ocultando trabalhos usados para fins militares. Teerã bloqueou a investigação da agência sobre urânio detectado em locais não declarados.

Desconfiança internacional

Embora o Irã insista que não está buscando produzir armas nucleares, a desconfiança internacional levou a um compromisso negociado em 2015 que restringiu as atividades atômicas do país em troca de alívio de sanções. Declarações recentes de atuais e ex-funcionários iranianos de que o país poderia revisar sua doutrina nuclear — e potencialmente construir uma arma — levaram Grossi a renovar as tentativas de diplomacia através de sua visita no início deste mês.

Os EUA emitiram um ultimato ao Irã na última reunião da AIEA: cooperar ou enfrentar censura, o que poderia levar a um encaminhamento ao Conselho de Segurança da ONU e a renovação de sanções contra a República Islâmica. Alguns países europeus já queriam aumentar a pressão em março. O conselho da AIEA se reúne novamente em 3 de junho na capital austríaca.

O estoque de urânio do Irã enriquecido a 60% — um nível indistinguível do combustível para armas — subiu para 142 quilos (313 libras) de 121,5 quilos em março, concluíram os inspetores da AIEA. Os inventários de combustível enriquecido a 20% cresceram para 751 quilos de 712,2 quilos.

Os inspetores da AIEA relataram que o Irã continua a bloquear uma investigação sobre partículas de urânio detectadas em locais não declarados. O Irã informou aos representantes da AIEA que visitavam Teerã em 20 de maio que, devido às mortes do presidente e do ministro das Relações Exteriores, "não era mais apropriado" realizar discussões substantivas, e a busca por uma solução precisaria esperar por um tempo indeterminado, conforme um segundo relatório de oito páginas circulado na segunda-feira (27).

Acompanhe tudo sobre:Irã - PaísUrânioÁsiaOriente MédioONU

Mais de Mundo

Ministro israelense viaja a Washington para negociações cruciais sobre guerra em Gaza

Trump pede apoio de evangélicos nas eleições de novembro

Bombardeio aéreo russo atinge prédio residencial e deixa três mortos e 37 feridos, afirma Ucrânia

Egito quer penalizar empresas turísticas pelas mortes de peregrinos em Meca

Mais na Exame