Espanhóis comemoram o fim de toque de recolher da Covid-19

País foi um dos mais atingidos da Europa pela pandemia, mas plano de vacinação derrubou drasticamente a taxa de infecção

Espanhóis entusiasmados dançaram nas ruas, gritaram "liberdade" e festejaram nas praias durante a noite de sábado, 8, quando o toque de recolher da Covid-19 terminou em quase todo o país.

Em cenas semelhantes às celebrações do Ano Novo, centenas de jovens se reuniram na praça Puerta del Sol de Madrid para aplaudir o relógio batendo meia-noite, enquanto em Barcelona os foliões iam para a praia com bebidas nas mãos.

A polícia de Barcelona teve a estranha tarefa de transportar as pessoas depois que o último toque de recolher começou às 22h, apenas para deixá-los voltar à meia-noite, quando terminou para sempre.

Algumas pessoas usavam máscaras, mas havia um distanciamento social escasso enquanto os amigos se beijavam, se abraçavam, dançavam e cantavam.

“Os jovens, como todo mundo, estavam muito restritos”, disse a operária Paula Garcia, 28, na praia de Barcelona. "Agora era hora de nos dar um pouco de liberdade para aproveitar um pouco do verão."

Mas os vídeos de mídia social de grandes grupos prestando pouca atenção ao distanciamento da Covid atraíram críticas de alguns. "Liberdade não inclui quebrar as regras", disse o prefeito conservador de Madrid, José Luis Martinez-Almeida, enfatizando que as reuniões para beber na rua, conhecidas como "botellones", são proibidas.

"Hora de nos deixar sair"'

Uma das nações mais afetadas da Europa, a Espanha sofreu 78.792 mortes por coronavírus e 3,6 milhões de casos. Mas as taxas de infecção caíram e as vacinações estão progredindo rapidamente, permitindo que a maioria das 17 regiões cancelem o toque de recolher até o amanhecer.

Apenas quatro regiões o mantinham: Ilhas Baleares, Ilhas Canárias, Navarra e Valência.

"Já era hora de nos deixarem sair", disse o balconista Andreu Pujol, 25, também na praia de Barcelona.

"Mesmo assim, ainda estou muito infeliz com o manejo (da pandemia). Você pode ver que neste país tudo o que eles fazem é inventar as coisas à medida que avançam".

À medida que festas improvisadas surgiam nos centros das cidades de todo o país, a polícia manteve um olhar cauteloso, lembrando a alguns foliões que beber na rua era proibido.

A presidente regional de direita, Isabel Diaz Ayuso, acabou de ganhar a reeleição depois de fazer campanha por medidas mais flexíveis, mas a cidade tem a segunda maior taxa de infecção da Espanha e ainda está ordenando o fechamento de bares e restaurantes a partir da meia-noite.

Mesmo assim, houve alegria no final do toque de recolher.

"O direito de circular livremente é fundamental", disse Luis Rigo, residente em Madrid, na Puerta del Sol.

"Estou feliz, estou encantado, é claro."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.