Mundo

Espanha decreta 3 dias de luto por acidente de trem

Descarrilamento causou 78 mortes e deixou mais de 140 feridos, em uma das maiores tragédias da história ferroviária do país

Equipes de resgate prestam socorro às vítimas do acidente com o trem na Espanha: de acordo com o governo regional, o trem transportava 222 passageiros e fazia a ligação entre Madri e a cidade de El Ferrol, na Galícia (Miguel Riopa/AFP)

Equipes de resgate prestam socorro às vítimas do acidente com o trem na Espanha: de acordo com o governo regional, o trem transportava 222 passageiros e fazia a ligação entre Madri e a cidade de El Ferrol, na Galícia (Miguel Riopa/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de julho de 2013 às 10h00.

Santiago de Compostela - A Espanha terá três dias de luto oficial pelo acidente de trem da Renfe ocorrido em Santiago de Compostela, no qual morreram 78 pessoas, anunciou o chefe do executivo, Mariano Rajoy.

"Quero transmitir em meu nome e do governo da Espanha meu pesar a todas as famílias das pessoas que morreram, e que infelizmente são muitas", afirmou Rajoy, visivelmente abalado, ao lado do presidente presidente regional galego, Alberto Núñez Feijóo, que horas antes também anunciou 7 dias de luto em sua comunidade.

O descarrilamento do trem também deixou mais de 140 feridos, em uma das maiores tragédias da história ferroviária do país.

De acordo com o governo regional, o trem transportava 222 passageiros e fazia a ligação entre Madri e a cidade de El Ferrol, na Galícia.

O presidente da companhia ferroviária Renfe afirmou nesta quinta-feira que o trem envolvido no acidente não tinha qualquer problema operacional.

"Estes trens passam por uma revisão a cada 7.500 km, e outra revisão a cada 50.000", afirmou Julio Gómez-Pomar Rodríguez.

Segundo a imprensa espanhola, o excesso de velocidade foi a causa do acidente, em um trecho onde havia uma curva acentuada e limite de 80 km/h.

O jornal El País, que cita fontes das investigação, afirma que o trem estava a 180 km/h, muito acima do limite máximo para o trecho.

Outro jornal espanhol, El Mundo, revelou que o trem viajava a 220 km/h no trecho limitado a 80 km/h.

O delegado do Governo da Galícia Samuel Juárez descartou a hipótese de atentado. "Foi um acidente. Não temos elemento algum que nos permita falar de outra coisa".


O acidente ocorreu no trecho da linha de alta velocidade, em uma curva a 4 km da estação de Santiago de Compostela, localidade de peregrinação conhecida em todo o mundo.

Um porta-voz da Renfe, a companhia ferroviária espanhola, disse que "é preciso esperar" para saber as causas do acidente, mas a "velocidade será conhecida em muito breve com a consulta das caixas pretas".

Rajoy deve viajar na manhã desta quinta-feira para Santiago de Compostela.

No Rio de Janeiro, onde participa das celebrações da Jornada Mundial da Juventude, o papa Francisco pediu que todos rezem pelas vítimas e suas famílias.

As imagens do local mostram vários vagões virados, sendo pelo menos um totalmente destruído.

Uma testemunha que estava no trem afirmou à rádio Cadena Ser que "parece que em uma curva o trem começou a descarrilar e os vagões ficaram uns sobre os outros."

O acidente aconteceu no dia do Apóstolo Santiago, época de grande celebração na região da Galícia.

Santiago de Compostela, capital da região e centro dos festejos, cancelou os eventos que deveriam ser realizados na noite de quarta-feira em homenagem a seu santo padroeiro. A tradicional missa do dia de Santiago foi mantida "com um estrito protocolo de luto".

Este é um dos piores acidentes ferroviários da Espanha. Na década de 40, um trem que também viajava de Madri para a Galícia se chocou com uma locomotiva, deixando centenas de mortos. Em 1972, um outro acidente com o trem que ia de Cádiz a Sevilha (Andaluzia, sul) causou a morte de 77 pessoas.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-transitoEspanhaEuropamobilidade-urbanaMortesPiigsRenfeTrânsitoTransportesTrens

Mais de Mundo

Com eleições antecipadas, oposição de esquerda se reunirá em uma 'Frente Popular' na França

Por que os super-ricos ameaçam deixar o Reino Unido nos próximos anos?

Israel prossegue ofensiva em Rafah, Biden culpa Hamas por atraso na trégua

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

Mais na Exame