Mundo

Equador suspende jornada de trabalho por dois dias por déficit hidrelétrico

Presidente declarou situação de emergência no setor elétrico e pediu a renúncia da então ministra da Energia, Andrea Arrobo

Equador: perante a crise energética, Noboa indicou na terça-feira que em abril serão cobradas apenas 50% das contas de eletricidade das famílias (Franklin Jacome/Getty Images)

Equador: perante a crise energética, Noboa indicou na terça-feira que em abril serão cobradas apenas 50% das contas de eletricidade das famílias (Franklin Jacome/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 17 de abril de 2024 às 19h13.

O Equador ordenou, nesta quarta-feira, 17, a suspensão do trabalho público e privado por dois dias, devido à crise energética causada por um déficit histórico nos reservatórios que abastecem as centrais hidrelétricas e que levou a apagões de até seis horas.

O presidente Daniel Noboa decretou a "suspensão da jornada de trabalho" na quinta e sexta-feira, informou a Presidência em um comunicado, alertando que a decisão não responde apenas "às circunstâncias ambientais", mas a "atos inéditos de corrupção e negligência".

Na terça-feira, o presidente declarou situação de emergência no setor elétrico e pediu a renúncia da então ministra da Energia, Andrea Arrobo.

Suspeitas de corrupção

Devido aos racionamentos intempestivos do último domingo, Noboa confiou, na terça-feira, a pasta da Energia ao chefe dos Transportes e Obras Públicas, Roberto Luque, e ordenou a investigação por suspeitas de corrupção que afetaria a produção de eletricidade.

A Presidência especificou que os setores estratégicos do Executivo "estarão operacionais e 100% focados na tarefa de resolver a crise energética" durante o feriado obrigatório.

As centrais elétricas farão manutenções em suas usinas na quinta e na sexta-feira, o que implicará racionamentos que serão anunciados oportunamente, acrescentou.

A Colômbia deixou de exportar energia para o Equador como medida para enfrentar a grave seca associada ao fenômeno El Niño, que deixa os reservatórios daquele país abaixo de 30% da sua capacidade.

Perante a crise energética, Noboa indicou na terça-feira que em abril serão cobradas apenas 50% das contas de eletricidade das famílias.

Acompanhe tudo sobre:EquadorEnergia elétrica

Mais de Mundo

Governo argentino suspende sites e redes sociais de rádio e TV públicas

China aumenta investimentos na Alemanha com foco em energias renováveis

China emitirá 1 trilhão de yuans em títulos especiais de longo prazo em 2024

Trump e aliados indicam que podem questionar resultados das eleições de 2024

Mais na Exame