Mundo

Eleições da União Europeia começam maratona de votações nesta quinta

Quase 370 milhões de pessoas estão aptas a votar no bloco

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 6 de junho de 2024 às 08h29.

As eleições que renovarão as autoridades da União Europeia (UE) começaram nesta quinta-feira, 6, com a votação nos Países Baixos, em meio a projeções de um forte avanço da extrema-direita.

A engenheira Claudia Balhuizen, a primeira a votar em um dos centros eleitorais do país, afirmou que os temas prioritários são a educação e as questões climáticas, "porque estamos arruinando o planeta".

Para Balhuizen, o avanço do Partido Pela Liberdade (PVV), de ultradireita, liderado por Geert Wilders, é "um alerta".

A funcionária pública Simone Nieuwenhuys disse à AFP que votou no PVV porque deseja que "a UE mude. Não gosto como está, quero uma voz diferente na Europa".

"Penso que chegam muitas pessoas que não são demandantes de asilo. Acho que somos muito abertos. Deveríamos ser mais críticos sobre quem deixamos entrar, porque custa muito dinheiro", acrescentou.

Wilders falou sobre o tema depois de votar "Queremos menos imigração, queremos endurecer as políticas e as regras sobre asilo". O PVV venceu as últimas eleições legislativas no país, em novembro, e formou recentemente uma coalizão de governo com outros três partidos.

A complexa maratona eleitoral terminará no domingo, 9, dia de votação na maioria dos 27 países do bloco.

Novo ciclo político

Quase 370 milhões de pessoas estão aptas a votar no bloco. Os resultados, por país, definirão as 720 cadeiras do novo Parlamento Europeu.Os legisladores definirão em seguida os titulares das outras duas grandes instituições da UE: a Comissão Europeia (braço Executivo do bloco) e o Conselho Europeu (que representa os países).

A atual presidente da Comissão, a alemã Ursula von der Leyen, é candidata a um novo mandato de cinco anos, com o apoio da bancada do Partido Popular Europeu (PPE), formada por legendas de direita.

As pesquisas indicam um crescimento considerável dos partidos de extrema-direita, uma perspectiva que gera um cenário de incerteza sobre o equilíbrio político dos próximos cinco anos.

A extrema-direita já tem uma forte representação no Parlamento Europeu, embora esteja dividida por sua postura a respeito da própria UE.

Segundo pesquisas, a tendência radical pode conquistar até 25% das vagas em disputa. O percentual é insuficiente para obter maioria, mas tornaria a extrema-direita um interlocutor inevitável para a concretização de acordos importantes.

Os institutos de pesquisa indicam que o PPE permanecerá como a principal bancada do Parlamento, seguido pelo bloque dos Socialistas e Democratas (S&D).

A bancada centrista Renovar Europa e a dos Verdes podem ser as mais afetadas com o avanço da extrema-direita.

Fim do equilíbrio?

Caso as urnas confirmem os resultados das pesquisas, o novo cenário pode ameaçar o equilíbrio trilateral – entre PPE, S&D e Renovar Europa –, que nos últimos cinco anos permitiu os grandes acordos fundamentais.

Von der Leyen já abriu a porta para alianças pontuais com os setores da extrema-direita mais inclinados à UE, mas este cenário dificultaria qualquer acordo com os social-democratas, centristas ou Verdes.

Nos Países Baixos, o PVV de Wilders deve continuar como a principal força do país nas eleições europeias.

As pesquisas também apontam uma vitória da Reunião Nacional de Marine Le Pen na França, dos pós-fascistas Irmãos de Itália, da primeira-ministra Giorgia Meloni, assim como do partido de extrema-direita Fidesz do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

A ultradireita também deve registrar avanços na Alemanha e Polônia.

Na Espanha, o conservador Partido Popular espera concretizar as pesquisas, que apontam uma vantagem sobre o governista Partido Socialista do primeiro-ministro Pedro Sánchez, enquanto o Vox, de extrema-direita, espera melhorar seu resultado.

O interesse fundamental dos eleitores está vinculado às realidades de cada país, mas o denominador comum é a preocupação com a inflação e o custo de vida, a insegurança e a imigração.

Vários estudos apontam que a guerra na Ucrânia também tem um lugar de destaque entre as preocupações dos europeus.

 

 

 

Acompanhe tudo sobre:União Europeia

Mais de Mundo

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Mais na Exame