Acompanhe:

Com 98,51% dos votos apurados nas eleições argentinas, o libertário Javier Milei, que acabou em segundo, ficou mais próximo do terceiro lugar, a candidata Patricia Bullrich (Juntos pela Mudança), de direita, do que do ministro da Economia Sergio Massa, que surpreendeu e acabou em primeiro lugar no primeiro turno.

Milei, do Liberdade Avança, obteve 29,98%, seis pontos percentuais a menos que Massa, do governista União pela Pátria, que conseguiu 36,68% dos votos, e pouco mais de cinco pontos a mais que Patricia Bullrich (Juntos pela Mudança), de direita, que teve 23,83%.

Os dois candidatos que disputarão o segundo turno na eleição presidencial argentina, em 19 de novembro, têm o desafio de ampliar sua base de apoio, partindo, ambos, de um alto índice de rejeição. De acordo com pesquisa realizada em setembro pela Universidade de San Andrés, a rejeição a Milei, de ultradireita e que espanta eleitores com propostas como permitir a venda de órgãos e reduzir drasticamente o tamanho do Estado — podendo, nessa cruzada, eliminar programas de ajuda social —, atinge 53%.

Já o peronista Sergio Massa, deve convencer os argentinos de que ser o ministro da Economia num país mergulhado numa crise dramática não significa que não possa ser o presidente que resolva essa mesma crise.

Embora o vencedor do primeiro turno tenha mostrando uma capacidade surpreendente de melhorar seu desempenho eleitoral após um magro resultado nas primárias de agosto (quando conseguiu, individualmente, apenas 21,43% dos votos), Massa não pode ser considerado favorito no pleito. Os argentinos estão sufocados por uma taxa de inflação que superou 100% nos últimos 12 meses, e há quatro meses atinge os dois dígitos mensalmente. O ministro e candidato não tem resultados positivos para mostrar, e sua melhor alternativa, reconhecem estrategistas que trabalham em sua campanha, é trabalhar para aumentar a rejeição a Milei.

Segundo pesquisas que circulam no comando de campanha de Massa, a estratégia deu certo e depois das Paso a rejeição ao candidato da ultradireita aumentou de forma expressiva, o que explica, em parte, a liderança do peronista no primeiro turno.

Massa focou em dois setores específicos da sociedade: mulheres e moradores de grandes cidades. O candidato peronista atacou seu adversário com uma campanha do medo que captou a atenção de milhares de argentinos, e instalou a ideia, entre muitos, de que Milei representa uma ameaça para a sobrevivência dos mais humildes, e, também, para a democracia. A jogada foi clara, explicou um dos estrategistas do candidato: se você não pode melhorar sua aprovação, aumente o rechaço a seu adversário

Quando é o segundo turno da eleição na Argentina?

O primeiro turno foi no dia 22 de outubro, e o segundo turno está marcado para o dia 19 de novembro. O candidato mais votado é eleito presidente do país.

Quem são os candidatos à presidência da Argentina?

  • Sergio Massa, peronista e atual ministro da Fazenda;
  • Javier Milei, ultraliberal

Como funcionam as eleições na Argentina?

A eleição na Argentina começa ainda no Paso, as Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias. Os eleitores de 17 a 70 anos são obrigados a escolher entre os candidatos de cada coligação. Quem não atingir 1,5% dos votos fica fora da disputa. O modelo foi pensado para reduzir o número de candidatos no primeiro turno, e serve também como termômetro real de como andam as intenções de voto dos argentinos. A etapa acontece no país desde 2009.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Jornalistas argentinos reagem a anúncio de fim da agência pública
Mundo

Jornalistas argentinos reagem a anúncio de fim da agência pública

Há 11 horas

Milei anuncia novo pacote de leis ‘anticasta’, fecha Telám e restringe voos de políticos
Mundo

Milei anuncia novo pacote de leis ‘anticasta’, fecha Telám e restringe voos de políticos

Há 15 horas

Milei alertou o Congresso argentino que governará 'com ou sem' apoio político
Mundo

Milei alertou o Congresso argentino que governará 'com ou sem' apoio político

Há 16 horas

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo
Mundo

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais