Mundo

Diretor-geral da OMS promete seguir investigação sobre origem da covid-19

Um artigo da revista científica Nature publicado esta semana afirma que a OMS desistiu de continuar a segunda fase da investigação sobre as origens da pandemia

OMS: diretor afirmou que não abandonou os estudos relacionados à doença (Yuichiro Chino/Getty Images)

OMS: diretor afirmou que não abandonou os estudos relacionados à doença (Yuichiro Chino/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 15 de fevereiro de 2023 às 16h47.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, comprometeu-se, nesta quarta-feira, 15, a fazer "todo o possível" para ter uma "resposta" sobre a origem da covid-19.

"Há uma dimensão científica e moral neste problema, e temos que continuar pressionando até obter uma resposta", sobre a origem da pandemia que começou na China no final de 2019, declarou Tedros à imprensa, em Genebra.

Ele disse ter enviado, recentemente, um e-mail oficial a uma autoridade de alto escalão do governo chinês para voltar a pedir a colaboração de Pequim, na tentativa de tentar determinar onde e quando o vírus da covid-19 começou a se propagar, até se tornar a pior pandemia em um século.

Um artigo da revista científica Nature publicado esta semana afirma que a OMS desistiu de continuar a segunda fase da investigação sobre as origens da pandemia, devido à falta de colaboração das autoridades chinesas.

Citada no artigo, a dra. Maria Van Kerkhove, responsável na OMS pelo combate à pandemia desde seu início, alegou que essa afirmação resultou de “um erro na forma de divulgar a informação”.

“A OMS não abandonou o estudo da origem da covid”, garantiu ela, em entrevista coletiva nesta quarta-feira.

“Não vamos parar, enquanto não tivermos conhecido as origens (…) o que é cada vez mais difícil, porque, conforme o tempo passa, mais complicado é entender o que aconteceu nos primeiros momentos da pandemia", completou.

Em fevereiro de 2021, uma equipe interdisciplinar de especialistas, liderada pela OMS e acompanhada por colegas chineses, passou duas semanas no país asiático para escrutinar o início da epidemia em Wuhan.

À época, um relatório conjunto se inclinou para a hipótese de transmissão aos humanos por um animal, possivelmente em um mercado desta cidade chinesa.

Defendida pelos serviços de Inteligência dos Estados Unidos durante o governo de Donald Trump e também por alguns cientistas, outra tese é que tenha havido um "acidente", ou seja, que o vírus "escapou" de um laboratório em Wuhan, onde são estudados os coronavírus do tipo SARS CoV-2 .

Em 14 de fevereiro de 2023, a OMS contabilizava oficialmente 6,84 milhões de mortes no mundo todo por covid-19 e mais de 756 milhões de casos confirmados. A organização reconhece que os números reais são muito maiores.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusOMS (Organização Mundial da Saúde)vacina contra coronavírus

Mais de Mundo

Após apagão geral, 95% do fornecimento de energia é restabelecido no Equador

Mudanças climáticas aumentam 35 vezes a probabilidade de ondas de calor nas Américas

Pesquisa mostra que 80% das pessoas querem que países reforcem compromisso com mudanças climáticas

Líderes políticos são presos e inabilitados por apoio à oposição na Venezuela  

Mais na Exame